Becca Fitzpatrick · Halloween · Livros · Mês Especial do Halloween · Séries · Sussurro (Hush, Hush #1) · Sussurro (Hush, Hush #1) - Becca Fitzpatrick {Mês Especial do Halloween} · Uncategorized

Sussurro (Hush, Hush #1) – Becca Fitzpatrick {Mês Especial do Halloween}

capa_sussurro_300dpi1.jpg

Aproveitando o Halloween, vou compartilhar com vocês livros que tenham uma temática sobrenatural, que tem tudo a ver com o dia das bruxas. Sussurro de Becca Fitzpatrick é uma das minhas séries favoritas de todos os tempos e é a indicação de hoje.

Assim que vi esse livro pela 1ª vez, as comparações com Crepúsculo foram inevitáveis. A descrição na contracapa parecia mais um exemplo de livros que seguiam a linha de romances sobrenaturais que estava de saco cheio de ler. Mas me enganei profundamente. Sussurro é uma série de 4 livros que quase já virou série de tv (o projeto foi cancelado em cima da hora). Hush Hush narra a história de Nora Grey que é uma garota de 16 anos, que participa do e-zine da escola e está focada em conseguir vaga em uma das maiores universidades do país. Ela nunca se interessou por nenhum garoto da escola – não porque eles não gostam dela – mas sim porque ninguém chamava a sua atenção. Tudo muda no dia em que seu professor/ treinador muda os lugares na aula de Biologia e Nora Grey passa a sentar ao lado de Patch, o novo aluno com ar de bad guy e encrenqueiro. E o impasse entre os dois se inicia. A grande questão do livro é que o protagonista está longe de ser um cavalheiro perfeito como Edward Cullen, Patch é aquele tipo de cara que a gente sabe, que ao se envolver com Nora, vai acabar em confusão.

O enredo é de tirar o fôlego e não se resume apenas  ao romance dos dois personagens. O que mais me prendeu na história foi o fato da história abordar a temática de anjos caídos (que é pouco explorado nas tramas sobrenaturais) e os dois personagens principais serem tão diferentes e terem uma química tão explosiva.

Foi a partir daí que comecei a entender o encanto que há entre duas pessoas completamente diferentes. A cada capítulo, o leitor vai se apaixonando mais. O livro não é um enredo puramente romântico, tem toda uma história envolvida. Patch é um anjo caído. Tirem da cabeça aquelas imagens belas e angelicais. Ele é um anjo que foi expulso, pois desejava ardentemente ser humano. O rapaz se apossa do corpo de humanos no período de “Cheshvan”. Por que ele fez isso? Por causa de uma mulher, é claro. Ele está longe de ser um homem bom, mas Nora Grey representa para ele uma oportunidade de se redimir. Foi então que compreendi e achei que a autora soube casar muito bem as duas propostas, sem tornar a trama tão apelativa.
Geralmente caras maus se sentem atraídos por garotas opostas porque elas significam tranqüilidade e paz. A descoberta de um mundo novo que bad guys não possuem acesso. Coisas que caras como Patch não possuem e necessitam profundamente, como uma vida comum e normalidade. Principalmente quando se trata de um anjo caído com um passado turbulento.

Quando terminei de ler, percebi que muitas perguntas serão respondidas no segundo livro da série Crescendo. Mas ainda assim o primeiro volume consegue fechar muito bem o arco, O livro além de ser uma história de amor, é também uma historia com altas doses de suspense, ação e fantasia. A leitura é muito fluída, a narrativa é gostosa e ideal para se devorar no Halloween ❤

Um bom feriado assombrado ❤

Beijos,

Ju

Anúncios
99 fear street · A hora do arrepio · Are You Afraid of the Dark · Clube do terror · Fantasmas da rua do medo · Fox Kids · Livros · Mês Especial do Halloween · Monsterville: The Cabinet of soul · Nickelodeon · Perfil do autor: R. L. Stine {Mês Especial do Halloween} · R. L. Stine · Rua do Medo · Séries · The Haunting Hour · The Nightmare Room · TV Globo · TV Record · Uncategorized · [Goosebumps]

Perfil do autor: R. L. Stine {Mês Especial do Halloween}

20161212-about-rl-stine

Hoje é aniversário de um dos meus escritores favoritos de todos os tempos, R. L. Stine e é claro que ele não poderia ficar de fora da nossa programação especial de Halloween. Para quem ainda não conhece, vamos relembrar e conhecer mais sobre a trajetória desse autor que fez e faz parte da infância de muita gente.

Robert Lawrence Stine, mais conhecido como R. L. Stine e Bob, nasceu em 7 de Outubro de 1943, é um escritor americano e autor de várias séries de sucesso como Goosebumps, Rua do Medo, A Hora do Arrepio, entre várias outras séries que fizeram parte do imaginário de crianças e adolescentes.

Como tudo começou

Stine começou a escrever ainda quando criança, em uma máquina de escrever no sótão de sua casa e o seu primeiro livro infantojuvenil se chama “Como ser engraçado”. O pontapé inicial sem dúvidas foi a série Clube Do Terror (Are You Afraid of the Dark) que foi exibida aqui no Brasil pela Nickelodeon e TV Record. A série possuía episódios independentes, alguns com continuação, enquanto outros não. Na história, um grupo de adolescentes que se intitulava “Midnight Society”(Sociedade da meia – noite), se reunia ao redor de uma fogueira para contar uma história de terror sob um clima intenso de mistério e sobrenatural. A série foi inspirada em contos populares, no folclore e na série Goosebumps. E foi então que a vida de R. L. Stine começou a mudar.

Muito antes de J. K. Rowling ser um sucesso, R. L. Stine fez história nos anos 90 ao vender mais de 400 milhões de cópias de livros, o que o fez entrar no Guinness World Records. A série foi o estopim para que o seu nome se tornasse um sucesso e o autor que já havia sido banido em bibliotecas de escolas por conta do seu estilo literário, foi convidado a palestrar e começou a fazer muito sucesso com as crianças.

O sucesso

Por mais que Clube do Terror tenha aberto as portas para Stine, foi com a série de livros Goosebumps que consagrou o seu sucesso, tanto na crítica quanto no público. A série de livros fez tanto sucesso que foi adaptada para a TV.  A serie foi transmitida de 1996 a 1998 e foi exibida aqui no Brasil pela Fox Kids e TV Globo. Os episódios passavam aos sábados pela manhã e foram inspirados nas histórias dos livros. O programa contou com 4 temporadas, cada episódio com 21 minutos de duração e por mais que tenha sofrido algumas mudanças em sua adaptação – o que é completamente compreensível –  podemos considerar as adaptações bastante fiéis. Isso se deve ao fato do estilo de escrita do autor, que é marcado por ser visual e em linguagem de roteiro, o que facilita a adaptação para filmes, séries e outras mídias. A série assim como Clube Do Terror fez um sucesso estrondoso e era conhecida pelas suas histórias sombrias e marcadas pelo sobrenatural. O autor aliás, aparece em diversos episódios da série, no início e no final falando sobre o episódio. Eram aparições inesquecíveis. Como se esquecer do famoso bordão da série que deixava a gente arrepiado? A primeira temporada da série está disponível no Netflix e conta com alguns episódios perdidos pelo youtube, alguns estão em inglês.

RFxAPZY.gif

A diferença entre Clube Do Terror e Goosebumps é que enquanto a primeira fazia sucesso entre crianças e adolescentes, Goosebumps seguia uma linha mais infantil. Uma curiosidade é que o primeiro livro da série a ser publicado, foi Bem – vindo à casa dos mortos (que já resenhei aqui) que ao lado de a máscara monstruosa estão entre os livros mais vendidos da série. (E por sinal são os meus favoritos). Em 2015, a série de livros virou filme, uma espécie de homenagem a série com Jack Black no papel principal como o próprio R. L. Stine. O filme fez maior sucesso e vai ter continuação em 2018. Apesar de manter muito da essência da série, o filme mudou muita coisa e ficou bem mais leve. Acredito que isso tenha acontecido para captar novos leitores e com a entrada deles, o próximo filme será bem mais dark. Oremos. 

Autor best seller 

Com o sucesso, é claro que vieram muitos contratos e muitas novas séries e histórias. Foi assim que o autor lançou várias séries de sucesso como Rua Do medo, essa mais voltada para o público adolescente/ juvenil. Enquanto as outras séries são mais lúdicas, Rua Do Medo é mais macabra. Ela foi publicada aqui durante anos pela Editora Rocco. Em 2014, Stine resolveu voltar para a Rua do Medo e lançou novos volumes e com um novo visual, assim a Editora Globo Alt lançou Jogos Macabros e estou torcendo para lançar os novos livros e os antigos que foram esquecidos – infelizmente – pela antiga editora. Rua do Medo fez tanto sucesso que originou duas “séries irmãs”. Uma delas tem um conteúdo mais young adult e macabro e se chama 99 Fear Street. Essa série não têm muitos volumes, nem foi traduzido para o português e apenas o primeiro volume foi escrito por Stine, os outros foram escritos por um ghost writer.  A outra série irmã se chama Fantasmas da rua do medo, ela é uma espécie de versão mais infantil de Rua do Medo, fez muito sucesso e chegou a ser gravado um episódio piloto que se encontra perdido na internet, mas a série de TV do livro nunca foi para frente. Uma pena! Recentemente fomos informados pela fanpage do autor que existe a possibilidade da produção de uma série ou filme (?) da série Rua do Medo, mas ainda há muito mistério sobre isso. E por enquanto são apenas especulações. Pelo menos enquanto Stine não confirmar. Mas se você acompanha o autor em redes sociais, sabe que ele é doido para ver a adaptação da série no ar. Só nos resta aguardar. Tanto em Rua do Medo, 99 fear Street e Fantasmas da rua do medo possuem um clima muito dark, repleto de mistério, sobrenatural, stalkers e criaturas sinistras.

16508445_1400903446607170_2254984618088002788_n

 

Outra série de Stine que fez muito sucesso foi A hora do Arrepio, mas que na verdade se chama The Nightmare Room. Até hoje não entendo que tradução é essa que fizeram que não tem sentido com o original. Mas vamos lá. A Hora do Arrepio é uma série de livros que foi publicado pela Editora Rocco e foi adaptada para a TV, mas contou com apenas 1 temporada que foi exibida no Brasil pelo SBT. Assim como as outras séries, ela conta com elementos do terror, sobrenatural e vários plot twists que enriquecem a trama. Os livros foram inspirados na série Twilight Zone que é uma das maiores referências e influências do autor. Já fiz um post sobre esses livros e em breve trarei mais posts sobre ❤p301649_b_v7_ab

 

Stine escreveu muitos livros e séries, mas podemos destacar também Fantasmas à solta que é uma série de livros bem infantil que foram adaptados para o cinema com o título Mostly Ghostly: have you met my ghoulfriend 1, 2 e 3, mas nem chegaram a ir para a tela dos cinemas, saindo direto em DVD. Enquanto os livros seguiam mais a linha infantil com temática sobrenatural e cômica, o filme permaneceu com a mesma essência, mas agregou o público teen.

1200x630bb.jpg

 

Em 2014 foi lançado o filme Monsterville: The Cabinet of soul que virou Monsterville: o armário/ cabine das almas, com roteiro de R. L. Stine e com Dove Cameron em um dos papéis principais. O filme conta com a linha que é comum nas tramas de Stine: terror, sobrenatural, monstros, lições de moral e a presença do lúdico e do dark. Na minha opinião essa é uma das melhores adaptações do autor, uma das minhas favoritas e é uma pena que não tenha feito tanto sucesso. E sim, em breve teremos resenha dele aqui.

101400

 

Mas sem dúvidas o programa que tem feito R, L. Stine bombar nos últimos tempos é a série The Haunting Hour, uma série feita para a TV com roteiro do autor que é baseada em vários livros de Stine, como A hora do arrepio que falei anteriormente. Aqui como nas outras séries citadas, temos mistério, sobrenatural, monstros e muitas reviravoltas que deixam louco o espectador. Eu achei a série visceral demais e por mais que seja voltado para o público infantojuvenil, ela conta com uns episódios bem tensos e acredito que de todas as séries do universo de R. L. Stine, ela é a mais influenciada por Twilitgh Zone. The Haunting Hour teve 4 temporadas e está disponível no Netflix. Já fiz um post sobre ela no site e se eu fosse vocês corria para conferir, porque está imperdível! E o post mais pop do site!

1466170_398805086920204_1939233203_n

Espero que vocês estejam gostando da nossa programação especial de Halloween! Tem sido uma loucura, mas estou adorando poder comemorar e compartilhar com vocês mais desse universo sobrenatural que tanto amo. E vocês, já conheciam o autor? Já leram algum livro ou assistiram alguma série/ filme? Me contem nos comentários e vamos espalhar a palavra de Stine por aí!

Tenham uma semana assombrada!

Beijos,

Ju

Fantasmas · Halloween · Livros · Maya Fox (A Predestinada) · Maya Fox - A predestinada (Silvia Brena e Iginio Strafii) · Maya Fox - A predestinada (Silvia Brena e Iginio Strafii) {Mês Especial do Halloween} · Maya Fox - O quadrado mágico · Mês Especial do Halloween · Planeta Jovem · Silvia Brena e Iginio Strafii · [Rock]

Maya Fox – A predestinada (Silvia Brena e Iginio Strafii) {Mês Especial do Halloween}

Escrito por Silvia Brena e Iginio Straffi e publicado pela Planeta Jovem, Maya Fox – A predestinada narra a história de Maya Fox, uma adolescente rebelde que tem problemas com a mãe e consegue se comunicar com os mortos. Só que as coisas nem sempre foram assim. A adolescente já foi feliz, tinha a família perfeita, mas depois que seu pai foi assassinado, tudo mudou. Por conta do seu dom de falar com os mortos, Maya é a única que pode desvendar a profecia que prevê o fim do mundo em 2012 e deve usar o seu poder para salvar o mundo.

Já falei um pouco sobre esse livro em outro post. Quando comecei a ler a história, não dava nada muito por ele, mas quando dei por mim, não conseguia parar. O livro é voltado para o público adolescente. A história da Maya Fox tem uma combinação de mistério, sobrenatural e suspense em doses bem altas e combinadas. E é perfeito! A narrativa é fluída, o livro é bem escrito, consegue prender o leitor e fazê-lo mergulhar na leitura para tentar desvendar os enigmas da trama. Outro ponto positivo é que o livro retrata um stalker psicopata que vem assassinando várias garotas em busca da “perfeição” e persegue Maya. E ainda tem a proximidade com o fim do mundo. Quer coisa melhor?

Enquanto pesquisava sobre esse livro, descobri que muitos leitores odiaram. A maioria questionou o comportamento da protagonista Maya, dizendo que ela era mimada e infantil. Sim, é verdade. Mas vamos enxergar por outro ângulo? A personagem era muito próxima do pai e quando ele morreu, além dela ser muito nova, foi um grande choque. No meio disso tudo, a garota descobre que consegue falar com os mortos. Sua mãe que é uma delegada, não a leva tão a sério e a trata como criança, o que faz com que as duas se afastem. Maya encontra consolo no “rock”, virando uma adolescente gótica e retraída. Sou eu agora que pergunto: vocês nunca se rebelaram na adolescência? Nunca tiveram a sensação de que ninguém os compreendia? Se vocês já tiveram 16 anos alguma vez na vida, aposto que se sentiram assim em algum momento. E bem, o livro foca NESSE MOMENTO. Outra coisa que chamou a minha atenção é que Maya não é uma das garotas mais populares, ela é a rebelde, se veste de preto e escuta The Smiths (a minha banda favorita de todos os tempos), mas nem por isso deixa de ter amigos. O desenvolvimento dos personagens foge um pouco daquele lugar comum e clichê que encontramos em histórias adolescentes. Maya tem a sua própria turma e ainda por cima pratica artes marciais. O livro aliás, tem várias referências a músicas, principalmente ao rock.

Achei o livro bem estruturado, apesar de ser uma trilogia (até onde sei só tem o segundo livro lançado por aqui, “Maya Fox – O quadrado mágico” que pretendo ler em breve), a história tem início, meio e fim. Ou seja, há uma situação que é explorada. Também há espaço para o romance, no qual os autores souberam colocar sem ficar meloso. Só achei que para um livro voltado para o público adolescente, algumas cenas são quentes demais para a faixa etária. O livro possui sim alguns problemas na narrativa, mas confesso que já li piores por aí. Também encontrei vários erros de revisão. Apesar disso, Maya fox – A predestinada tem a combinação de todos os elementos que mais amo em um livro. Não me arrependi de ter lido e pode até não ser o livro mais perfeito do mundo (talvez se ele não fosse uma trilogia ou duologia, daria mais certo. A história seria perfeita se fosse estruturada em um livro único ou HQ), indico sem pensar duas vezes. É uma ótima pedida para quem procura uma leitura despretensiosa, sobrenatural com direito a fantasmas e serial killers. Acredito que antes de julgar um livro, devemos ler e abrir a mente para ele. Maya Fox é especial de diversas formas e tem espaço para muita coisa: perseguições, amor, mistérios e o sobrenatural. E mais do que isso, é também uma história de como o amor pode sobreviver a diversidades da vida, até mesmo da morte.

Espero que estejam curtindo o nosso Mês Especial de Halloween. Estou me divertindo bastante e adorando poder compartilhar livros, séries e filmes com vocês! Agora quero saber o que andam lendo e assistindo. Compartilhem comigo ❤

P.s: Essa resenha foi postado em um antigo blog que eu tinha, mas achei bacana compartilhar aqui, já que se trata de uma história sombria com fantasmas e fim do mundo que tem tudo a ver com o Halloween.

Muitos sonhos assombrados,

Ju

Amazon · Ben Oliveira · Escrita maldita · Escrita maldita (Ben Oliveira) {Mês Especial do Halloween} · Literatura Nacional · Livros · Mês Especial do Halloween · Terror · Terror Psicológico

Escrita maldita (Ben Oliveira) {Mês Especial do Halloween}

benEscrita Maldita, escrito por Ben Oliveira é um livro de terror psicológico que conta a história de Daniel Luckman, um jovem escritor que recebe um prêmio pelo seu primeiro livro que se tornou best – seller e é responsável por uma reviravolta e mudança de vida.

Logo de cara ficamos sabendo que Daniel é o típico clichê de escritor: trabalhador, workaholic e sonhador. Ao lado da namorada Marisa, ele batalhava pelo sucesso até que esse grande dia chegou. Esse prêmio abre muitas portas, como escrever um livro junto com Laurence Loud, um dos seus escritores favoritos e grande inspiração para as suas obras. Com todas essas transformações, Daniel muda de vida, se muda para uma casa grande de campo e se casa com Marisa. Ele e Marisa são um casal apaixonado e é muito bonito a forma como os dois trabalham isso. Apesar de jovens, ambos são dedicados um ao outro e ao grande sonho de Daniel. A mulher acaba abrindo mão de muita coisa por conta do marido, mas o que achei mais interessante é que em nenhum momento isso diminui a importância da personagem na trama, muito pelo contrário. Como o próprio Daniel diz, Marisa é a responsável por lhe trazer de volta a realidade. Ela é a representação com o mundo real. Além disso, a personagem é uma das primeiras a notar coisas estranhas que começam a acontecer por ali.

Acontece que Daniel e Laurence decidem escrever um livro onde ambos são personagens, um thriller psicológico que conforme vai passando o tempo, Daniel nota que as linhas que separam ficção e realidade podem não existir. Quando eles decidem escrever juntos, Laurence é convidado para passar um tempo com os dois e assim que o personagem coloca os pés na casa, fui invadida pela sensação de alerta vermelho. Não sei se era pela empolgação do personagem, mas isso passa despercebido por Daniel, mas não para nós leitores e para Marisa. A forma como o autor insere isso na trama, a atmosfera que ele cria, repleta de mistério e muitas simbologias, através de sonhos e sinais deixa claro que a vida de Daniel não vai ser a mesma. Ou melhor, que existe um grande peso após o sucesso do seu primeiro livro. Seria o preço pelo sucesso ou pelo dom, que na verdade pode ser uma maldição?

Escrita Maldita entrou para a lista de livros mais incríveis que já li. Terminei o livro chocada e ao mesmo tempo arrebatada com o final destruidor! É de tirar o fôlego, mas vamos por partes. Uma das coisas mais fantásticas da história é a forma como Ben consegue brincar com o real x imaginário, os limites que existem entre eles e a metáfora com a escrita que nós – escritores e leitores – acabamos nos identificando. A escrita é fluída, muito gostosa do tipo que a gente quer devorar tudo de uma vez. Lembro de parar algumas vezes, porque não queria que o livro terminasse logo. Outro ponto positivo é a ambientação muito bem construída: o livro possui um tom muito soturno, sombrio que faz o leitor mergulhar na trama e se sentir como um narrador onipresente, como se estivesse preso a trama e é o clima ideal para um livro de terror. Os personagens são muito bem desenvolvidos. Eu me identifiquei e simpatizei com Daniel e Marisa, um casal que está no início da vida a dois, na luta por uma vida melhor sem abandonar seus ideais sonhadores. Mas sem dúvidas, nada supera os plot twists dessa história que são puro desgraçamento da cabeça!!! Foi surpreendente e ao mesmo tempo, muito incrível! Escrita Maldita abre margens para várias teorias que ficaram na minha mente durante um bom tempo após a leitura. O final é arrebatador e catártico.

O livro também possui uma mensagem muito forte sobre perseverar com seus sonhos e não desistir deles. Durante o livro, torcemos para que os dois consigam realizar seus objetivos e tentamos protegê-los, mesmo sabendo que a ficção tem vida própria e segue seu próprio caminho. Indico muito escrita maldita, principalmente para os fãs de terror / thriller psicológico e já estou ansiosa para ler próximos livros do autor que é sem dúvidas, um destaque no cenário do terror. Escrita Maldita é a pedida ideal para a galera que busca uma leitura mais macabra e sinistra nesse Halloween. Tem terror, mistério e muito sobrenatural em um clima pra lá de soturno. Tenho certeza de que vão lembrar dele na hora de dormir hehe. Cinco estrelas e super favoritado.

Você pode encontrar o livro disponível em eBook na amazon e para mais informações sobre o livro e o autor, entre em contato com ele através do site. Ben possui várias publicações, algumas dela disponíveis no wattpad que valem a sua leitura. Boa leitura e feliz Halloween 🎃

 

Bem-Vindo à Casa dos Mortos · Bem-Vindo à Casa dos Mortos: Goosebumps · Goosebumps · Livros · R. L. Stine · Resenhas · série

Bem-vindo à casa dos mortos: Goosebumps {Mês Especial do Halloween}

Bem-vindo à casa dos mortos é um livro escrito por R. L. Stine e publicado pela Editora Fundamento (Welcome to Dead House no original). Descobri esse livro por causa da série de TV Goosebumps que como todo mundo sabe é inspirado na série de livros. O episódio Bem – vindo à casa dos mortos é o meu favorito e é claro, que fui conferir  a obra original e qual foi a minha surpresa ao constatar que além de ser bem fiel, é incrível? Primeiro a gente precisa deixar claro que a série Goosebumps é voltado para o público infantojuvenil, portanto o livro se trata de uma trama de terror sim, mas ao mesmo tempo um pouco mais leve. Mas não pense que isso diminui a história, R. L. Stine nunca decepciona quando se trata dos seus livros e principalmente dos seus finais, repletos de plot twist.

O livro conta a história dos irmãos Josh e Amanda, ele tem onze anos e ela doze. Os dois estão se mudando para a cidade Dark Falls (sacou a referência?), um lugar que nunca ouviram falar e faz parte do universo das cidades pequenas onde todo mundo se conhece. As crianças odeiam a mudança, porque não querem se distanciar dos amigos e da rotina que tem. Só que o pai deles é escritor e viu a oportunidade perfeita ao arrematar a casa naquela cidade.

Logo que eles chegam, sentem um clima diferente no lugar. A primeira vista todos são atenciosos e simpáticos, mas é a garota quem começa a sentir que tem alguma coisa de errado. Amanda começa a ver coisas, sentir presenças e achar o local pra lá de estranho. Até o cachorro da família, o Petey sente a mesma vibe e não consegue ir com a cara dos moradores.

A família tenta se misturar com a vizinhança, assim como as crianças tentam fazer novos amigos, mas logo eles descobrem que aquele lugar foi palco de um acontecimento muito tenebroso e eles evitam ficar expostos ao sol. Mais uma vez temos aqui um livro no qual R. L. Stine (que é um dos meus autores favoritos de todos os tempos) consegue capturar o clima do livro através da atmosfera. O clima, a estranheza, a ambientação e a forma como o autor insere são tão bem calculadas que nós leitores conseguimos adentrar na história, como se estivéssemos vendo, assistindo a série. As tramas do Stine são muito visuais. Não é a toa que foram adaptadas para TV e cinema.

No decorrer da trama, notamos a luta de Amanda em tentar entender o que se passa naquele lugar. Com o tempo, ela observa que as pessoas têm ações estranhas, ela é assombrada e tem pesadelos horríveis que tentam alertar de todas as formas que tem algo de estranho ali. Até que acontece o inevitável e a adolescente descobre que não é só a casa mal assombrada, mas como a cidade também. O que são aquelas pessoas? Vampiros? Zumbis?

A leitura é fluída e considero Bem – vindo à casa dos mortos um dos melhores títulos da série. Um detalhe curioso sobre a história é que esse foi o primeiro volume de Goosebumps a ser publicado (pelo menos lá fora). E é o primeiro episódio também da série de TV. Enquanto lia, fui devorada por muitos sentimentos. Sim, o livro possui muitos clichês das histórias dos anos 80 e 90, mas em nenhum momento isso deprecia o enredo. Muito pelo contrário. Um clichê bem feito pode construir uma história incrível, como é o caso desse. E apesar de ser uma história para o público infantojuvenil, Stine consegue nos deixar chocados e surpresos com a reviravolta do livro. Para os leitores que buscam um terror mais leve, Bem – vindo à casa dos mortos é uma ótima pedida, mas não se engane, Stine sabe muito bem brincar e é por isso que tem o título de mestre do horror. O livro possui um clima soturno e muito sombrio, fora a leitura que é muito gostosa.

Tentei encontrar o vídeo da série no youtube (que era por onde eu assistia), mas não encontrei. Quem tiver a oportunidade de assistir o episódio, se joga. É incrível a forma como o ep é elaborado, desde a narração até o desenvolvimento. Eles conseguiram captar muito o clima do livro.

Aproveitem o Halloween para ler e assistir, garanto que não vão se arrepender *O*

Muitos sonhos assombrados ❤

Beijos,

Ju