A casa do penhasco · A casa do penhasco - Agatha Christie · cultura pop · Editora L&PM Pocket · Histórias de Detetives · Mistério · Resenhas · Romance Policial · [Agatha Christie] · [Leitores] · [Literatura] · [Livros] · [Pretty Little Liars] · [Sara Shepard]

A casa do penhasco – Agatha Christie

“Adoro esses pequenos fatos curiosos. Dizem muita coisa. Eles nos mostram caminhos”.

A primeira vez que li Agatha Christie, tinha apenas 13 anos e foi amor à primeira vista. Já contei a minha experiência aqui no blog com os livros da escritora e é necessário dizer que sou super fangirl de suas obras. Agatha Christie tem o dom de escrever histórias intrigantes com finais surpreendentes e enredos muito bem construídos. O mais difícil para os seus leitores é descobrir a identidade do assassino do crime. Já perdi a conta de quantos livros da autora que li, mas só descobri o assassino de um deles depois de quase 13 anos lendo seus livros. Descobrir a identidade do vilão é aquele típico caso que acontece dentre um de um milhão haha. Mas esse post fica para outro dia.

Em A casa do penhasco publicado pela L&PM Pocket, temos o detetive Hercule Poirot que está passando as férias na praia com o seu parceiro, o detetive Hastings. Tudo seria perfeito, senão fosse pelo fato dos dois esbarrarem com uma jovem chamada Miss Buckley que conta para eles sobre as várias tentativas de assassinato que vem sofrendo nos últimos dias. Curioso, Hercule Poirot percebe que o mistério o chama, não perde tempo, cancela suas férias e se encarrega de descobrir o que se passa na misteriosa casa do penhasco. A partir daí, a história começa a ficar interessante. Poirot é um detetive inteligente, brilhante e tem um faro terrível. De repente, todos se tornam suspeitos. Da melhor amiga até os vizinhos de Miss Buckley. Mas por quê tentariam assassinar essa jovem? A situação aponta para um caminho, mas durante a leitura surgem outras direções. Jogo de intrigas, enigmas, mentiras e charadas sempre tão presentes na atmosfera de Agatha, se encontram nesse livro.

O mais interessante nas histórias da autora é que  “as coisas nunca são como aparentam”. Em seus livros, os personagens vão além das aparências, sempre há algo mais. Chegamos a conclusão de que todos no universo da Agatha Christie carregam segredos. E com mais segredos, mais pistas e verdades escondidas.

Elementos como o mistério e o suspense são o ponto alto da trama, o que faz com que o leitor fique preso a narrativa e não descanse enquanto o criminoso não for revelado. Hercule Poirot é um personagem fascinante que investiga a fundo quem poderia querer se livrar da garota. Enquanto Hastings é uma figura pra lá de engraçada com a sua inocência e bondade fora do comum, o que rende boas risadas no decorrer da trama. A relação dos dois é muito cômica. Hercule e Hastings possuem duas personalidades diferentes que complementam um ao outro e mesmo que o detetive bigodudo insista em chamá-lo de cabeça dura, acredito que não chegaria ao veredito sem a ajuda do amigo.

Outro destaque no enredo de Agatha é a presença do psicológico. Os crimes estão sempre ligados a algum motivo que é psicologicamente explicado. Nenhum crime é à toa, tudo tem um porquê. Em A casa do penhasco, a autora não deixou a desejar no final. As revelações conseguem sempre ser impressionantes por conta dos plot twists que viram a trama de cabeça para baixo levando o leitor a loucura, assim como nessa história. Ela consegue enganar o leitor direitinho com uma resolução coerente e lúcida.

Mesmo não esperando o tipo de desfecho que há em A casa do penhasco, fiquei de cara com o final. Como não podia deixar de ser, o livro entrou para a lista dos meus favoritos. Agatha é o tipo de autora que independentemente de descobrir o final ou não, nunca vai perder a graça. E seus leitores sempre vão ler e seguir as suas histórias.

Durante a leitura, pude notar um paralelo com a série de livros Pretty Little Liars que também virou série de TV. Tenho a sensação de que a autora Sara Shepard se inspirou em Agatha para escrever as suas histórias. Não sei se esse é o caso, mas é uma feliz coincidência de se ver. Prova viva de que a obra da escritora vai sempre influenciar os outros escritores e estará mais viva do que nunca na cultura pop.

Vocês já leram esse livro? Me contem nos comentários. Espero que estejam curtindo os posts quase todos os dias. Estou amando poder retornar e produzir coisas novas para o blog. Como podem ter observado, tem muita coisa mudando para melhor por aqui. Quero que o site fique cada vez mais a minha cara e acho que vocês estão conseguindo captar isso ❤ Obrigada pelos comentários, curtidas e compartilhamentos. Foi por vocês que voltei ❤

Beijos,

Ju.

P.s: Essa é uma das resenhas que recuperei do meu antigo site e não é que ficou bacana? ❤

Anúncios
Fantasmas · Freeform · Resenhas · Serial Killer · Teorias · Terror Psicológico · TV · [Abc Family] · [Literatura] · [Livros] · [Pretty Little Liars] · [Sara Shepard] · [Séries] · [Terror] · [Um vício chamado Pretty Little Liars]

Um vício chamado Pretty Little Liars

Já faz um bom tempo em que estava para fazer esse post, mas a falta de tempo e a dificuldade em começar esse texto me impediam. Não é segredo para ninguém que sou muito fã de Pretty Little Liars. Tem dois anos que acompanho a série e a cada episódio, fico mais viciada.

SPOILERS! Leia por sua conta e risco! 

Pretty Little Liars é uma série de TV da Abc Family, baseado na série de livros de mesmo nome da Sara Shepard e publicado pela Editora Rocco. Apesar de não ser fiel aos livros, PLL gira em torno da noite do feriado do dia do trabalho no qual Alison Dilaurentisa adolescente queen bee – desaparece misteriosamente e é dada como morta.  No fatídico dia, Alison passava a noite com as amigas no celeiro da Spencer.

Um ano se passa, as amigas se separam e seguem suas vidas. Mesmo sendo amigas de Alison, uma parte delas se sente aliviada. Infelizmente Alison era uma pessoa perigosa, do tipo que adorava ameaçar e praticar bullying com os outros. Ela conhecia o segredo de cada uma e se aproveitou disso diversas vezes. Alison Dilaurentis é aquela figura mítica: rainha da escola, popular, admirada e seguida por meninos e meninas que amava pisar nos outros.  Exatamente um ano depois do seu sumiço, o corpo da jovem é encontrado. As meninas acabam se reaproximando e começam a ser chantageadas por -A que sabe todos os segredos. Curiosamente, coisas que só Alison sabia.

Confesso que comecei a assistir por insistência das minhas primas. Na minha cabeça, PLL era uma série no estilo Gossip Girl. Só que no momento em que comecei a assistir, percebi o quanto estava enganada. Na primeira temporada, temos o desenrolar da noite mais comentada de Rosewood (onde se passa a série) e acompanhamos o que rolou depois de toda a tragédia. Vemos as meninas tentando voltar a sua vida normal, com amores, muitas festas e agitos, mas -A não deixa barato e as assombra o tempo inteiro, seja por sms anônimos ou cartas. Com muito terror psicológico e como não podia deixar de ser, muitas mentiras. A primeira temporada não é uma das minhas favoritas. Achei muito confusa, fraca e com muitos furos. Mas definitivamente tem alguma coisa nessa série que prende a atenção do telespectador.

Já a segunda temporada é uma das minhas favoritas. A trama começa a amadurecer e observamos um clima sombrio que ronda a série e que vem pra ficar. O desenrolar dos enigmas, o início dos casais e o lado detetive de Spencer me tornaram fiel a PLL. E claro, não poderia deixar de citar a descoberta de que Mona é -A. Foi incrível! Sem dúvidas, foi um dos pontos altos da série. Nunca vou me esquecer do último capítulo em que é revelado, Mona de capuz preto e o covil de -A. O ponto fraco fico por conta de Maya, a namorada de Emily que é uma personagem who, não diz a que veio e foi pouco explorada. Sei que não tem como dar espaço para todos os personagens, mas até agora não consegui encaixar a morte dela com a história em si (a princípio, segundo os produtores, a morte dela não está ligada ao psicopata da série). Como em PLL tudo pode acontecer, não descartei possibilidades ainda.

Já a terceira e quarta temporada são as melhores ever na minha opinião. Elas têm uma sequência de enigmas e mistérios que compõem a trama e estão equilibradas. São temporadas bem escritas e desenvolvidas. Na terceira temporada, vemos que Mona está no Radley, hospital para pessoas que possuem problemas com distúrbios psicológicos e descobrimos que há um novo -A e que ele/ ela roubou o seu jogo. E quando as liars pensam que finalmente estão livres, se descobrem mais presas aos segredos e mentiras. O ep 3×01 “Aquela noite” é a entrada para a “nova fase” de PLL. Qualquer semelhança com o 1×01 não é coincidência. Segundo a produtora Marlene King, foi intencional. Como se estivesse inciando uma nova série dentro da série. Que loucura! Outro ponto positivo é que a série é famosa pelos episódios temáticos de Halloween. Não curti muito os primeiros, achei bem fraquinho. Só que o da terceira temporada se passa no trem e omg! É maravilhoso!!!  Com direito a Adam Lambert cantando muito em uma noite pra lá de sombria. Esse é um dos meus episódios preferidos que não me canso de ver, só perde pro especial de Halloween da quarta temporada). Acho que se algum espectador tem dúvidas sobre PLL, na terceira tem tanto suspense, surpresas e mistérios que é impossível não se envolver ❤

A quarta temporada marca a entrada de novos personagens intrigantes como Cece que acrescentam e confundem a trama. Temos também o ponto alto da temporada que é o episódio especial de Halloween, se passa no cemitério da cidade pra lá de estranha Ravenswood que marca o início da série paralela de mesmo nome que flopou. Nem preciso dizer que amei esse episódio né? Uma das coisas mais fantásticas em PLL é que mesmo sendo uma série de jovens, eles vão fundo no terror e suspense. Jovens mentirosas se metendo em confusões aterrorizantes? É a minha cara

Já a quinta temporada foi um erro atrás do outro. Com a volta da Alison, acreditamos que finalmente teríamos respostas, o que não aconteceu. Só teve enrolação, as liars super passivas a amiga que estava desaparecida, o que ninguém esperava e episódios bem entendiantes. A morte da Mona foi uma das coisas mais horríveis que aconteceu, ela só desacelerou a trama. Porque era justamente a Mona quem poderia agilizar a descoberta de -A, o que novamente não rolou. A própria Marlene King comentou que sentiu que os fãs estavam desmotivados. E pra completar, não tivemos o especial de Halloween, mas sim o de Natal que foi um dos episódios mais parados. A história prometia muito, mas parece que se perdeu no caminho. Podíamos ter ficado com o episódio de Halloween. O triste é que de acordo com a produção, não vão ter mais especiais de Halloween. Torço para que mudem de opinião, porque eles são sempre os melhores e funcionam como extras da trama.

Para a sorte dos fãs, a sexta temporada começa literalmente lacrando. Parece que realmente a produção de PLL está cumprindo as suas promessas, o que significa que começamos a ter respostas. Os episódios até agora se dividiram em agitados e parados, mas é totalmente compreensível em vista dos últimos acontecimentos. Mas nota-se que eles marcam uma nova fase da série, mais direta e bastante dark. De acordo com os grupos de fãs, descobriremos quem é -A no último episódio do primeiro arco da sexta temporada. Depois teremos um pulo de 5 anos no qual veremos as liars mais velhas e com vidas diferentes. Praticamente uma nova história dentro da série, iniciando uma nova fase na história.

Uma parte de mim está adorando e outra triste, porque o dia em que nos despediremos de Pretty Little Liars está se aproximando. A série vai terminar na sétima temporada.  Não é fácil dizer adeus a uma série que demorou a me conquistar, mas quando menos esperei roubou o meu coração. Apesar do roteiro ruim, a trama clichê e possuir um enredo quase fantasioso, vejo PLL como uma alegoria da vida. Quem assiste sabe que alguns personagens somem do nada, relacionamentos terminam assim como acontece no dia a dia. Todo mundo já sofreu nas mãos de alguma Alison ou já teve alguma fase Spencer em sua vida. O fato é que essa é uma série de acelerar os seus batimentos cardíacos e quebrar a cabeça com teorias. Se eu tenho palpite de quem é -A? Claro, mas isso vou deixar para outro post!

E ah, uma das coisas mais divertidas da série é que ela é cheia de referências a filmes e músicas, principalmente antigas e os nomes dos episódios são super criativos. Também tenho que parabenizar a produtora Marlene King por conseguir fazer com que todos os personagens parecessem suspeitos. Sou Escritora e sei o quanto isso é difícil. É por essa e outras que amo e apaixonada por PLL ❤

Espero que tenham curtido o post! E vocês, tem alguma série em que são viciados? Já assistiram PLL? Divida comigo nos comentários. Vou adorar saber ❤