Pré – Venda + 5 motivos para ler Maratona do Terror

Tenho uma notícia super linda para compartilhar com vocês : Foi liberada a pré – venda do meu livro “Maratona do Terror: Perdidos – Contos de Arrepio” *–* Partiu convidar os amigos, as amigas, namorado, namorada, família, papagaio, cachorro e os inimigos, TODO MUNDO!!!
COMPREM, CURTAM E COMPARTILHAM COM OS AMIGOS ❤ Vamos encher o mundo de Perdidxs!!! Para comprar, clique aqui.

Para quem não conhece ou caiu aqui de paraquedas, listei cinco motivos para ler Maratona do Terror: Perdidos – Contos de Arrepio. Partiu?

Maratona do Terror: Perdidos – Contos de Arrepio é um livro que reúne uma série de contos de fantasia, ficção científica, sobrenatural e terror. Vocês vão encontrar mistérios, amor, enigmas e muitas surpresas.

• No livro vão encontrar também muitas criaturas fantásticas, simbologias, líderes de torcida, lugares assombrados e amigos muito loucos. Uma das coisas que queria era manter o clima anos 80 nas histórias. Espero ter conseguido passar isso.

• Algumas pessoas comentaram comigo que estavam com medo de ler o livro, mas STOP. Se vocês acham que vão encontrar cenas a lá exorcista no livro, fiquem tranquilos que não. Quando tive a ideia para o livro de contos, queria mostrar todo o tipo de terror. Só que o terror é algo MUITO complexo. Para uma criança, pode ser uma prova de matemática e para um homem, pode ser conhecer a sogra. Quando escrevi o livro, queria brincar com o conceito de Terror. E sim, ele é sombrio, foi proposital. Mas sobre medo, isso vai depender muito de cada um. Eu aprendi com os meus mestres R. L. Stine e Stephen King que nem sempre o terror tem muito sangue, nem sempre é preciso morrer alguém pra ficar aterrorizado. O terror é muito maior que isso!

• Muitas coisas me inspiraram a escrever o livro. Até fiz um post sobre isso aqui e se vocês quiserem posso fazer outro post contando, mas o que me mais me influenciou foram os livros e as adaptações do R. L. Stine, como Goosebumps, Clube do Terror, A hora do Arrepio e The Haunting Hour. Adoro a forma como ele escreve e a forma como a história se desenvolve. Esse livro também é uma homenagem a ele.

• Alguns personagens foram baseados em pessoas que conheço. Duas amigas minhas sempre reclamaram que nunca viram uma personagem como elas ou com o nome delas. Não seja por isso, seus desejos foram atendidos. Também incluí o nome de alguns desafetos nas histórias, funciona como uma espécie de terapia. Se os personagens tem um final feliz ou não vão ter que conferir na íntegra haha. Adoro usar coisas da vida real na ficção, acho que isso aproxima o leitor da história.

Caso ainda tenha dúvida se deve ler ou não, compartilho com vocês as entrevistas que dei para os Sites Se Liga Leitor e Endless Poem. O lançamento do livro também foi destaque nos Blogs e sites Minhas Impressões, Minha Montanha Russa de Emoções, Perdidas na Biblioteca,  Iris Figueiredo e no Hey Event (Um site de Portugal *O*). Para deixar um gostinho de quero mais, deixo  alguns quotes do livro que já foram liberados!

 

 

 

Quem é do Rio está super convidado para comparecer ao Evento de Lançamento que será no dia 06 de Setembro ás 16 horas no Estande E19 (Estande da Qualis) no Pavilhão Azul. Quero ver todo mundo por lá! Vai ter muitos autógrafos, selfies e abraços ❤ Confirme presença aqui! E ah, no dia 18 de Outubro vou estar ao lado de vários Autores legais no LiteraCaxias em Caxias (RJ) às 13: 00. Para confirmar presença, clique aqui.  Faltam apenas 12 dias e estou super ansiosa! Volto em breve com mais novidades e informações ❤

 

 

 

[Diário de uma Escritora Outsider]: #Dia1 Recordar é reviver

 

 

 

Há um tempinho, comecei uma coluna no Novos Escritores chamada “Desventuras de uma Escritora Outsider” contando sobre o meu processo de criação e os caminhos que percorri até terminar de escrever o meu primeiro livro. Só que aquele livro, concluído lá em 2013, não foi o primeiro que escrevi.  Eu tenho milhares de histórias iniciadas, mas que nunca foram concluídas. Um dos objetivos na minha vida é terminar cada uma delas e dizer”eu consegui”.

E é assim que nasce esse novo projeto. Vem comigo, vamos rebobinar o tempo. Há cinco anos, era um dia de semana, estava chovendo muito e o Rio de Janeiro estava em estado de alerta. Eu como todo mundo, estava presa em casa sem ter o que fazer. A única coisa que me veio a cabeça foi: vou escrever. Uma ideia tomou conta de mim e não conseguia parar. Foi uma das sensações mais loucas de toda a minha vida.

A história completou cinco anos. Nunca consegui terminar e fui interrompida várias vezes. Foi então que decidi que era hora de terminar e decidi também começar um novo projeto o “Diário de uma Escritora Outsider”.  Mas ao invés de dicas e conselhos a partir do que fiz como na outra vez, decidi dividir com vocês um diário onde vou contar o que estou passando ao terminar de escrever essa história que tira o meu sono.

Agora senta que lá vem história.

 

Quando comecei a escrever esse livro, trabalhava como operadora de telemarketing e tinha passado para a Faculdade de Letras da UFRJ. Eu estava entrando em uma nova vida, muito corrida e praticamente sem tempo. Não  tinha tempo pra dormir, ler livros e fazer trabalhos da Faculdade. Foram tempos difíceis, ou melhor horríveis que serviram e muito para o meu amadurecimento pessoal.  E foi em um dia de semana que a cidade do Rio de Janeiro entrou em estado de alerta devido a uma forte chuva que tudo começou. Eu me lembro que todo mundo foi obrigado a ficar em casa e foi dispensado do trabalho. Não fui a Faculdade e nem fui trabalhar. Lá naquela época, eu nem tinha internet direito em casa e não tinha o que fazer. Já tinha lido todos os meus livros e estava à toa. Me lembro como se fosse hoje, que eu e minha prima ficamos assistindo um programa de clipes na sala. Fazia muito frio e graças a Deus, só passava clipes e músicas legais na programação. Aquilo foi um start pra uma história surgir na minha cabeça. Naquela época, eu já escrevia, mas nunca tinha terminado uma história. Sempre acreditei por ser pela falta de tempo e acredito nisso até hoje. Naquela hora, toda uma história se desenvolveu na minha mente e comecei a conversar sobre ela com a minha prima. Eu me lembro que perguntei pra ela: – Qual o nome você daria pra uma personagem assim e etc?  Talvez ela não se lembre, mas a personagem carrega o mesmo nome que ela me disse naquele dia. Esse é um daqueles dias que nunca vou me esquecer. Tudo contribuiu para que começasse a escrever feito louca.

Cinco anos se passaram e nunca cheguei a terminar de escrever essa história. Virou a missão da minha vida terminar, porque essa história é aquela que “me define como Autora” e o livro que sempre sonhei em escrever. Nada me seduz mais do que uma história misteriosa e sombria envolvendo criaturas fantásticas. Como não posso dizer o nome ainda, vamos apelidá-la carinhosamente de “Crazycity”. E na última quinta-feira decidi que era hora de parar de procrastinar e mergulhar na finalização desse livro. Descobri que tenho mais de oito cadernos com rascunhas e capítulos e mais de mil folhas de anotação (papel e digitado)!!!! Vocês tem noção do que é isso? Foi a história que mais reescrevi, acho que passei das seis vezes e o último manuscrito que encontrei ia até a página 75.  Você deve estar se perguntando, como não terminou ainda esse livro? Então pega a pipoca, porque a saga parece não ter fim.

 

Como comentei lá em cima, eu não tinha muito tempo naquela época, mas tentei escrever o livro dentro de ônibus sacolejando, na minha mesa do trabalho, durante uma aula chata. Só que nem sempre dava, porque o fluxo de ligações  no meu trabalho era tão intenso que não tinha paz nem pra me concentrar (eu trabalhava no setor de reclamações, então imagine!), na Faculdade, vire e mexe o Professor fazia algo que exigia a nossa atenção e nem sempre encontrava vaga no ônibus pra vir sentada escrevendo.  Depois de um tempo, quando consegui tempo, fiquei com bloqueio. E nem foi porque eu queria, mas porque tive um problema pessoal que me impossibilitou e acabei sendo forçada a parar de escrever. Foram meses muito diferentes. Eu achava que tinha mudado e não me via mais escrevendo. Fiquei sem escrever e sem ler por muuuuuuuuito tempo até que um dia senti necessidade de escrever e de ler. Antes, eu me sentia vazia, mas quando senti as palavras vindo, vi que nada tinha mudado.  Tudo voltou ao normal e quando percebi, lá estava eu pesquisando tudo sobre o assunto que escrevia, com direito a muitas notícias e documentários. Foram períodos riquíssimos e fundamentais para o crescimento da trama. Foi ali também que reparei que precisava fazer uma grande alteração na história, que ela não seguiria se continuasse daquela forma, logo comecei a reescrever. Outra coisa é que costumo sempre pesquisar sobre as coisas que escrevo, mas esse livro sem dúvidas foi o que mais estudei. Foram livros de ficção, teorias e filmes que devorei para tornar a história mais crível. Foi também com esse livro, que segui uma dica da Diva J. K. Rowling, mas que nunca fiz com os meus outros livros. Eu montei várias fichas sobre os personagens: quem eles são, como eles são e seu futuro na trama. Deu muito trabalho, mas precisava fazer. Também notei que com esse livro, sou perfeccionista, mesmo sabendo que é impossível alcançar a perfeição.

Vocês devem estar se perguntando o que é essa história. Eu também queria contar, mas ainda não posso. A única coisa que posso dizer é que são sobre bruxas. E quem me conhece sabe a forte ligação que tenho com essas criaturas, que são as minhas preferidas. Acho que é por causa disso que tenho um todo cuidado. Quero passar tudo que está na minha cabeça pra que no final eu diga: pronto, consegui. Esse é um sonho de infância, de uma vida inteira.

Voltando aos dias atuais, decidi começar o processo de escrita e reescrita. Há uns meses já tinha reescrito uma parte e salvo uma versão bem melhor que as anteriores. Também encontrei várias anotações, mas muitas excluí (DESAPEGA, DESAPEGA, OLX) e outras salvei. No final, ficou o saldo de dois capítulos escritos com 3. 881 palavras escritas e reescritas. Tudo seria perfeito, se não fosse pelo fato de que o segundo capítulo na verdade se trata do terceiro ou do quarto. Foi aquele momento em que eu quis surtar, porque não era possível, isso não podia ter acontecido!!!

Mas isso aí é assunto pra um próximo post…

E aí, curtiram o post? Achei que seria legal dividir com vocês o processo de finalização por trás desse tão sonhado livro, principalmente porque tem sido um processo diferente. Eu estou muito animada e ao mesmo tempo ansiosa. Digam aí o que acharam e me contem se já passaram por isso e se tem algum comentário que possa me ajudar.

Prometo voltar e com capítulos mais escritos hahaha

 

 

 

 

Tudo sobre o meu livro “Maratona do Terror: Perdidos – Contos de Arrepio”

Quem me acompanha nas redes sociais, deve ter acompanhado a minha animação nos últimos tempos. Caso tenha caído de paraquedas em meu espaço, saiba que vazou a capa do meu primeiro livro. Na realidade, não era pra isso acontecer, a divulgação só seria feita em Agosto, mas como foi divulgado, achei justo apresentar a capa para os curiosos de plantão. Ontem, o Novos Escritores (site que como todo mundo sabe, faço parte) divulgou em primeira mão a capa oficial. Agora convido vocês a conhecerem o meu livro “Maratona do Terror: Perdidos – Contos de Arrepio”

 

Segue a sinopse do livro:

 “Esse livro é uma maratona de contos assustadores.

  Ele começa com a história de Lily, uma Estudante apaixonada por filmes de terror que faz de tudo para assistir à pré-estreia de um filme ao lado dos seus amigos em uma “Sexta-Feira 13”, conto inicial, e termina com a “A casa nº 7”, uma casa mal assombrada em que um casal tem o azar de se abrigar.

   Para viver essas e outras histórias aterrorizantes, não deixe de ler “Maratona do Terror: Perdidos – Contos de Arrepio”!

  Obs: Não leia à noite!”

 Quem é leitor do blog sabe que publicar um livro sempre foi meu grande sonho. Eu já falei sobre esse livro aqui em um post sobre curiosidades dele e contando como foi terminar de escrevê-lo, mas tudo começou em uma aula da Faculdade em que teríamos que criar contos. Eu escrevi vários e tive a ideia de reunir tudo em um livro. Maratona do Terror reúne não só contos de Terror, mas também de Fantasia, suspense, muuuuuuuuuuito Sobrenatural e Ficção Científica.

 E claro, vou aproveitar para convidar todos vocês para o lançamento que será realizado na Bienal do RJ 2015 no dia 6 de Setembro às 16 horas no Estande E19 (Estande da Qualis) no Pavilhão Azul. Estão todos convidados a participarem! Será um dia muito divertido *–*

 Em breve vou divulgar o link para a pré – venda, enquanto isso me sigam nas redes sociais em que atualizo as novidades 😀

 Site Oficial: https://julianaskwara.com/

 Twitter: https://twitter.com/juxrok

 Facebook: https://www.facebook.com/julianaskwara

 Instagram: https://instagram.com/juskwara/

 Snapchat: juskwara

 E-mail: rangeldeoliveira4@gmail.com

A Escritora Juliana Skwara ataca novamente!!!

OLAR AMIGOS!

Sentiram a minha falta? Sei que fiquei afastada das postagens por um tempo, mas infelizmente fui pega por uma gripe muito forte e o período de provas da faculdade que fez com que eu ficasse isolada do mundo. Podem ficar tranquilos, pois estou de volta e trago boas notícias *–*

Há duas semanas fiquei sabendo que fui indicada ao LiteraCaxias, que é uma Organização de eventos literários no município de Duque de Caxias. Quando descobri, fiquei em choque *O* Que honra estar ao lado de tanta gente boa que me motivou a escrever, ao lado de vários autores que amo e admiro! Só de ver meu nomezinho ali fico feliz *–*

Como comentei no meu perfil no facebook, meu livro só estará disponível no segundo semestre, mas vai que sou uma das mais votadas e acontece alguma coisa antes? Nunca se sabe! Conhecem aquela frase “O poder é de vocês”?

Pois então, se quiserem votar na minha pessoa para saber mais sobre o livro, o universo e tudo mais, vote Juliana emo, vote 58 rs.  A votação vai ficar rolando até o dia 1º de Junho que é a data que vão divulgar quem ganhou *–*

Convidem a família, os amigos, inimigos, cachorro e papagaio. Estou doida pra conhecer vocês ❤ Para votar, acessem o link da fanpage, escolham outros dois Escritores para votar (além de mim) e dá- lhe 58  ❤

 

 

 

E o segundo livro chega ao fim ou “a síndrome de Jack Torrence”

Como vocês sabem, nos últimos meses e semanas ando ocupada com o final do meu segundo livro. No último post , vocês conferiram algumas curiosidades a respeito dele. Fiquei de fazer um post contando como foi o processo de escrita de Strangers, como apelidei carinhosamente a história. Na quinta-feira, FINALMENTE consegui terminar de escrever . Terminar um livro sempre vai ser uma das sensações mais estranhas do universo! Fica um vazio e ao mesmo tempo, sentimos um alívio enorme. São muitos sentimentos e ainda estou em choque! Por mil motivos. O primeiro é que conseguir concretizar isso me deixou muito feliz. Nem consigo acreditar que vou publicar o meu primeiro livro *O* Todos piram!  O outro motivo é que foi tão difícil chegar até aqui, que o processo de escrita de Strangers não vai passar em branco.

 

Tudo começou há um ano. 2014 foi um ano que pouco escrevi. Me envolvi muito com a faculdade e alguns cursos que fiz, o que foi ótimo. Consegui me profissionalizar como Revisora, fiz meu segundo curso de escrita e ainda por cima tive a oportunidade de conhecer mais sobre o mercado editorial. Eu sentia que precisava viver essa experiência, ter uma visão mais profissional do meio literário. Porque por mais que tenha decidido ser Escritora por amor e tudo tenha começado como um sonho, nunca foi segredo para ninguém que queria entrar nessa profissão. Sempre soube que era uma questão de tempo para a escrita deixar de ser hobby e virar profissão. Isso era sinal de que a coisa estava ficando séria. E se você quer ser Escritor e terminar um livro, precisa levar a sério. Já tinha aceitado também que por mais que a inspiração faça parte desse trabalho, o Autor precisa ter disciplina e escrever todos os dias. Independente de ser uma linha, um parágrafo ou um capítulo. O Escritor precisa ler muito, pesquisar sobre o que está escrevendo e viver o que chamamos de “experiência de campo”.

E eu sempre me entreguei a esse processo. Nunca reclamei, nem nada do tipo. Sei que a minha vida pode muitas vezes até ser solitária por causa disso, mas não me arrependo, foi isso que escolhi para a minha vida. O mais difícil é fazer com que família e amigos compreendam. Porque você não vai estar todos os dias disponível. Se você quer que seu livro seja publicado no tempo x, vai precisar deixar noitadas e a diversão um pouco de lado. Lembre-se, isso é uma profissão como outra qualquer. O Escritor pode fazer o seu horário, desde que cumpra. Não há sacrifício sem dor, ou seja, não tem como fugir.

Foi depois de uma aula de Escrita que veio a ideia para Strangers. Muita coisa já estava montada e aproveitei para desenvolver o restante. Não posso falar ainda do que a história se trata – estou esperando sair o registro para contar – mas acreditava que seria tranquilo. E não, foi bem longe disso.

Já falei anteriormente, mas Strangers não é o primeiro livro que termino de escrever. Ele é o segundo livro que termino e o primeiro que vai ser publicado. Na primeira vez que terminei um livro, coloquei prazos e cumpri, mesmo passando um pouco da data – dois dias precisamente. Com Strangers não foi assim que aconteceu. Então, senta em uma cadeira e me acompanha. A história é longa.

Primeiro, fiz o meu horário para escrever o livro. Até aí tudo bem. Fiz pesquisas, li e vi tudo a respeito. Estava praticamente pronta para me jogar. O que me salvou e me ajudou a terminar foi que desde que fiz meu primeiro curso de escrita, adquiri o hábito de criar uma espécie de “roteiro/ esqueleto/ esquema”. Nele, coloco cada coisa que vai acontecer de forma que enquanto escrevo não fico desorientada. Pode acontecer de mudar o roteiro algumas vezes – inclusive isso já aconteceu – mas ele me ajudou muito durante a escrita. Os problemas em escrever Strangers foram outros.

Para quem não sabe, não moro sozinha. Minha família é grande e infelizmente estou acostumada a ser interrompida enquanto escrevo. Foi por causa disso que passei a escrever ouvindo música. As canções me concentram e o que quer que aconteça lá fora – conversas, telefone ou campainha tocando – não conseguem a minha atenção. É por isso também que adoro escrever de madrugada. Todo mundo está dormindo, ninguém me atrapalha e o fluxo de ideias corre solto.

Só que foi durante o processo de escrita de Strangers que mais me atrapalharam. Obrigações familiares chamaram a minha atenção e várias vezes deixei de escrever por conta de um problema familiar. Na verdade foram mais de um. Se não bastasse isso, foi a época em que mais tive evento literário e festas de amigos para ir. Sempre que decidia escrever, tinha algum compromisso e mais uma vez o livro era deixado de lado. Isso aconteceu muitas vezes. Com o tempo, fui ficando muito irritada.  Sou apaixonada pelo filme O Iluminado e confesso que tenho MUITO medo de Jack Torrance, o personagem de Jack Nicholson, o Escritor que fica extremamente irritado quando não consegue escrever, a ponto de enlouquecer e tratar mal as pessoas ao redor.  Nesse meio tempo, senti que eu e ele estávamos ficando muuuito parecidos.

 

 

Para completar, não sou o tipo de pessoa que costuma ficar muito doente. Mas inexplicavelmente durante o processo de escrita de Strangers, foi o período que mais fiquei doente: dor de estômago, febre, dor de cabeça, alergia… Foram muitas vezes. Outras coisas bem loucas aconteceram: vire e mexe ficávamos sem luz aqui em casa (apagão em vários bairros e cidades, caminhão batendo no post e etc), fiquei sem computador três vezes – que era onde o livro estava. Oitra vez, em uma determinada madrugada, quando finalmente o livro estava fluindo, vi um vulto passando no cômodo que estava. Não sei se era verdade ou apenas a Escritora que vos escreve cansada, só sei que fui imediatamente dormir.

 

 

A sensação de que me impediam de escrever o livro cresciam e cheguei a conclusão de que não ia conseguir cumprir os prazos e terminar. Eu chorei de raiva várias vezes e comecei a “agir” de forma muito estranha. Passei a ficar mais antissocial, querer sair menos e estressada. Foi um montanha – russa de emoções.

 

 

 

 

 

O que me tranquilizou e me ajudou a ficar mais calma é que contei com o apoio do meu namorido e amigos que me incentivavam a escrever, ajudaram com ideias e dicas. Acho que se Strangers vai finalmente ser publicado, grande parte devo a eles.

Vocês devem estar se perguntando, e agora o que ela vai fazer? O processo de finalização de um livro é complicado e me encontro nesse momento em infinitas revisões. E claro, como não poderia deixar de ser, vou mergulhar na escrita de dois livros. Dois?! Isso mesmo! Nunca vou parar de escrever! Aos olhos dos outros, pode ser visto como loucura. Para mim, um sonho e um trabalho que me faz a cada dia mais feliz.

 

 

 

 

Curiosidades sobre o meu livro #1

Ficar esperando um livro ser publicado é chato, né?

Pensando nisso e tentando não ser tão cruel como tenho sido nos últimos tempos, decidi matar a curiosidade de alguns leitores que vem me pedindo detalhes a respeito do meu primeiro livro que vai ser publicado. Infelizmente,  não posso revelar tudo. O livro ainda não foi registrado e estou no processo final de escrita.

Já escrevi um livro antes, mas nunca imaginei que fosse ser tão difícil finalizar um livro. Está – literalmente – sendo um parto.

Agora chega de voltas e vamos ao que interessa >.<

A primeira coisa é que o livro já tem um nome, mas não posso revelar por mil motivos. Mas posso contar que apelidei carinhosamente a história de “Strangers”. Não, esse não vai ser o título do livro. Essa é a forma como posso me referir ao livro sem dar spoilers e revelações bombásticas. E apesar de ser o meu primeiro livro que vai ser publicado, Strangers não é o primeiro livro que escrevi. Já escrevi um livro antes que ainda não foi publicado. Esse é um plano para o futuro e assunto para um outro post.

A segunda coisa é que Strangers vai ser lançado ainda esse ano. Levei exatamente um ano para terminar e está sendo bem complicado escrever. Durante a escrita, passei por mil coisas que tentaram atrapalhar (um dia faço um post explicando), mas o mais importante é que o livro vai sair. Estou lutando bravamente por isso!

 

 

A terceira curiosidade é que uma das coisas que mais me inspirou a escrever esse livro foi a série “Buffy: A Caça – Vampiros”. Como quase todo mundo sabe, sou muito fã da série. Tão fanfirl que sempre sonhei em escrever algo do tipo. É claro que não copiei a história, mas Buffy me motivou a escrever no que acredito e amo. Até comentei no twitter que uma das certezas que tenho nessa vida é que vou escrever ficção sombria para sempre! Essa é a minha vida, esse é o meu clube ❤

 

 

A quarta curiosidade é que amo escrever ouvindo música. Ah tá! Eu sei que isso não é novidade para ninguém, mas durante grande parte da escrita desse livro ouvi MIL VEZES a mesma música. A determinada canção amaldiçoada é Hideaway da Kiesza. Para quem não conhece, a moça é uma cantora dance que ficou muito conhecida no ano passado. Curiosamente, o título dessa música faz referência ao nome de um grande cantor de dance music dos anos 90, o Haddaway que inclusive a Kiesza regravou uma cancão dele, What Is Love. Coincidência ou não, cresci ouvindo essa música e sou muito fã desse cantor. Como não acredito em coincidências, acho que todos esses detalhes estavam entrelaçados e tornam a criação de Strangers ainda mais interessante. Eu diria até que essa música é o livro em forma de canção. É muito amor ❤ Se curtirem, futuramente faço uma playlist do livro. Acho que alguns podem se surpreender. Durante a escrita do livro, ouvi MUITA dance music. Sim, você não leu errado rs.

 

 

A quinta curiosidade é que o Escritor R. L. Stine foi uma grande inspiração para escrever Strangers. Amo a forma como o autor de O Clube do Terror, A hora do arrepio, Goosebumps, Horrorland e Eye Candy constrói e desenvolve as suas histórias. Sabe aquele autor que você quer ser como ele quando crescer? Pois então, é ele! Amo a forma como os detalhes, a mitologia e os acasos estão bem amarrados em suas obras e as surpresas que ele dá ao leitor no decorrer da trama. Eu tenho muito a agradecer ao Bob! Strangers nasceu dessa vontade de agradecê-lo tudo o que me proporcionou como leitora!

A sexta curiosidade é que tem um livro que me inspirou e influenciou muito a escrever a história. Não chegar a ter coisas em comum com o enredo, mas se Strangers ganhou forma, personalidade e atitude devo A Estrada da noite do Joe Hill que me ensinou a amar o gênero que escrevo e defendê-lo com unhas e dentes.

Queria contar mais coisas, mas não posso. Afinal temos que deixar as surpresas para mais tarde  haha. Ainda não tenho a data de lançamento do livro, eu e meu agente estamos acertando isso, mas fiquem tranquilos, pois quando menos esperarem vão ter Strangers em suas mãos. Espero que tenham curtido o post, já faz um tempinho que queria dividir essas curiosidades com vocês. Se toparem, posso fazer mais posts com curiosidades sobre os meus livros 🙂

Agora preciso ir, os detalhes finais do livro me esperam. Contando os minutos para ter o livro na minha mão ❤

 

You live only once

 

Ontem o meu dia foi mágico. Completei vinte e cinco anos e fui surpreendida de diversas formas durante o dia. Aniversários são realmente datas especiais, ainda mais quando se comemora ao lado das pessoas que ama. E sou muito sortuda por isso!

Confesso que uma parte minha tinha medo de envelhecer, mas parece que o medo foi embora e junto com ele,  as experiências negativas que tive no ano passado e que graças a Deus foram poucas. Aniversário é uma espécie de Ano Novo pessoal e o amadurecimento veio junto com ele. Agora sem medo das rugas, mas aliviada por estar mais velha e espero, mais sábia.

Foi muito bom ser a Juliana de 24, mas agora é a hora de ser a de 25. Antes, a Juliana de 24 se estressava quando alguém fazia algo errado e atuava como coitado. Agora, a Juliana de 25, ignora. Pois melhor que estar certo é fazer a coisa certa. E tomei um novo lema pra minha vida. Aprendemos todos os dias que You live only once, como dizem os Strokes, você só vive uma vez.

E foi assim, seguindo o lema que tomei uma grande decisão. Como noticiado no Novos Escritores, o meu primeiro livro vai ser publicado ainda esse ano. Desde o ano passado venho recebendo muito apoio de leitores, amigos e professores para lançar o livro. Há três anos tinha dúvidas sobre isso, só que agora só resta certeza. É com esse “projeto” que pretendo apresentar a minha escrita e será a minha estreia no mundo das Letras. E ao contrário do que ouvi de alguns Escritores, não decidi ser Escritora porque andava no meio da Literatura. O Novos Escritores só surgiu, porque decidi ser Escritora, conhecer o meio e os Autores. Chegou a hora de realizar um dos meus maiores sonhos e eu conto os minutos pra isso acontecer. Estou muito feliz e trabalhando duro para isso acontecer *–* Quem me conhece sabe o quanto esperava por isso! Em breve, vou divulgar mais informações sobre o livro e as datas aqui e no NE. O que posso dizer é que vem muitas aventuras por ai. Vamos aprontar muito ♥

   

Enquanto isso na trilha sonora do livro…

Saí do armário

Desde que entrei no meio literário com o Novos Escritores, muitas pessoas me perguntam o que escrevo. No início não fazia ideia do que dizer e quando soube, me senti insegura. Só agora notei que demorou para cair a ficha, para encontrar a minha voz, o meu clube.

Apesar de escrever poesia quando pequena, não sou do time dos poetas, mas me atrevi a fazer uma poesia sobre isso (levem como um texto rimado haha). Me poetizei e falei sobre a minha escrita. Deixo com vocês essa leitura.

Agora sim posso dizer: Prazer, esse é o meu lado Escritora.

Saí do armário

Sou dos becos escuros,

minha turma é a noite

os versos, as estrelas e as rimas.

Enquanto a maioria das pessoas são do dia,

desperto a noite,

quando a inspiração caminha.

Sou das bruxas, lobisomens e vampiros,

não vejo graça no normal,

seríamos ótimos amigos, 

mas a minha turma

é a dos excluídos. 

Alguns são levados a escrever

pelo amor e finais felizes.

Eu escrevo pelo estranho e o sobrenatural

que me fascinam e eletrizam.

Gosto do inusitado,

de não fazer sentido.

Para mim é o maior barato, 

esse é o meu caminho. 

Nem o dia a dia, 

nem a monotonia, 

nas entrelinhas,

são os mistérios que me guiam. 

Aprendi muito com a escrita,

uma delas é que o meu lugar são com os esquisitos, 

esse é o meu destino. 

Saí do armário,

chegou a hora de parar de deixar a escrita de lado.

Avante betas!

Imagem

Olá gafanhotos, como vocês estão?

Mais uma pausa no #PHpoemaday, mas hoje por um motivo muito nobre. Como vocês sabem, escrevi meu primeiro livro no ano passado e desde então ando ocupada com a revisão e lapidação da história. Nesse meio tempo, escrevi outros textos e decidi chamar betas para trabalharem comigo. Não poderia ter feito coisa melhor *–*

A experiência foi incrível e a troca foi muito positiva. Acrescentou muito para o meu trabalho como escritora, consegui os comentários críticos que precisava e me senti satisfeita. Pensando nisso, decidi criar um grupo secreto no Novos Escritores com os meus betas para a leitura dos meus textos. O grupo vai funcionar da seguinte forma: pretendo postar meus textos (do blog), contos e outras histórias. Meus betas vão ser os únicos que vão ler meus textos antes de todo mundo. Eles vão poder dar a opinião deles sempre fornecendo comentários e críticas construtivas que possam melhorar a minha escrita. A primeira leitura do grupo será o meu primeiro livro, que terminei o ano passado.

Imagem

 Sim, é isso mesmo que você leu. 

Já criei o grupo e estou super contente com essa nova fase. Sinto que era esse passo que faltava dar. Ter betas me fez ter mais confiança na escrita e me deu vontade de continuar. Foi como comentei em meu perfil no facebook, agora a frase: “Eu escrevo para os meus leitores” faz todo o sentido do mundo. E olha, que sensação gostosa! Escrever para eles me faz feliz ❤

Meus betas foram escolhidos a dedo e todos eles tiveram de alguma forma contato com o que escrevo. Eles deram o retorno que procurava e são pessoas da minha confiança. Não vou postar o link do grupo aqui, mas caso tenha interesse em fazer parte entre em contato comigo que podemos conversar e negociar 😉

Outra mudança que pretendo fazer é a respeito do layout. Sei que ele é “recente” e muito bonito. Eu gosto muito, mas acho que não combina com o que escrevo. Para quem não sabe, minhas histórias se passam no universo fantástico e da ficção científica. Acredito que um visual um pouco mais sombrio no blog funciona mais. Mas claro, sem perder o perfil clean que facilita a leitura.

Bem, por enquanto é isso. Logo volto com novidades. Enquanto elas não vem, divirtam-se com meus posts. A aventura só está começando, gafanhotos >.<

Opa, novidades…

Imagem

Olá gafanhotos,

Hoje não tem postagem do #PHpoemaday, mas por um bom motivo. Ontem, a Indie Produções divulgou a capa “Sexta-feira 13” de minha autoria. A capa foi feita pelo Djan Skwara e para quem não sabe, o Indie Produções é uma empresa que oferece serviços editoriais e é formada pela equipe da Rede Social Novos Escritores que faço parte. É o nosso projeto paralelo ❤ O Link da capa postado na Indie Produções.

E então, o que vocês acham que pode ser? 

Para saber mais informações, vocês vão ter que ter paciência e esperar. Prometo voltar em breve com muitas novidades. Enquanto elas não chegam, fiquem ligados nas minhas redes sociais. A qualquer momento posso contar…

Twitter

Fan page

Beijos,

Ju!