Autoajuda · Brida (Paulo Coelho) · Editora Planeta · Misticismo · Paulo Coelho · Resenhas · [Editora Rocco] · [Literatura] · [Livros]

Brida (Paulo Coelho)

Cresci lendo as colunas do Paulo Coelho em jornais e pessoas viviam me indicando os seus livros quando descobriam que era devoradora de livros. Eu cresci, nunca li e ouvia muitos comentários sobre as obras do Paulo Coelho. Alguns anos atrás, me deram um exemplar de Brida bem velhinho, com a capa antiga ainda e bateu AQUELA vontade de ler. Enrolei um pouco por causa do TCC, mas no mês passado criei coragem e li. Não poderia ter feito coisa melhor!

O livro conta a trajetória de Brida, uma jovem Irlandesa de 21 anos  que deseja encontrar seu lugar no mundo. Brida está em um processo para se encontrar e quer aprender mais sobre a magia e a wicca. Ela procura o mago de folk, um homem misterioso e respeitado como sábio que a aceita como discípula. No decorrer da narrativa, a personagem descobre que precisa passar por muitos obstáculos e superar os seus medos. O mago explica a garota, que a magia pode ser ensinada através da tradição do sol e da tradição da lua.

Acompanhamos o crescimento da personagem ao descobrir a sua identidade. Brida se encontra na wicca com a ajuda do mago. Juntos, eles aprendem muitas coisas e acabam ensinando um ao outro, coisas que haviam esquecido.

Tenho muitas coisas para falar sobre esse livro e a primeira é que a minha experiência com essa história foi incrível. O livro superou as minhas expectativas. Sempre tive muito receio com literatura de autoajuda e não vou negar, julguei muito. Mas se alguém, algum dia me dissesse que em 2017 leria um dos maiores autores de autoajuda que existe e me tornaria fã dele, riria na cara dessa pessoa. Só que as coisas mudam e como mudam…

Primeiro preciso dizer que o leitor pode ler Brida de diversas formas, assim como fiz. Primeiro como leitora, aberta para a criação de Paulo Coelho, sua ficção, ensinamentos sobre a wicca e lições de autoajuda. Segunda como uma autora de fantasia/ mística; Paulo não cria uma mitologia, mas é interessante como ele conecta a magia a trama, de uma forma que a torna crível para a história, sem soar clichê ou falso. Terceiro como admirador da wicca/ wiccano; eu não sou wicca e desconheço a religião, mas foi bacana ler a respeito, saber mais sobre as tradições do sol e da lua, sobre os rituais e sobre como tudo na vida é importante. O que fazemos aqui, o quanto nos doamos pelas pessoas que amamos, pelas pessoas que ajudamos e etc, tudo isso é válido como experiência e conta muito se você quer encontrar o seu lugar no mundo. Se você se encaixa em alguma dessas opções, acredito que terá uma experiência muito bacana com Brida.

Terminei de ler Brida muito rápido e lamentei muito, porque é aquele tipo de livro que você não quer acabar. A leitura é envolvente, gostosa e o vocabulário do autor e sua linguagem são bem simples, mas que DE forma alguma diminua sua importância. Pelo contrário, isso a torna mais aberta. As mensagens que Brida passa podem não ser novas, pode estar escrito ou dito em algum lugar – como a bíblia – por exemplo, mas é incrível como Paulo consegue atrelar isso a trama de forma única. Sei que Brida não é o livro queridinho de quem curte as obras do escritor, mas mesmo sem ter lido suas outras obras, tenho um carinho imenso por Brida, já que foi o meu primeiro contato com o autor e que ensinou muito sobre literatura, vida, amor e sobre mim mesma. Brida carrega uma dose forte de misticismo, mas não é preciso ser religioso para ler. Só é necessário querer ouvir a história da personagem, que nada mais é do que a jornada do herói, do ser humano pela busca da sua identidade, para ter uma vida melhor e poder fazer a diferença, com boas ações. Para quem não sabe, Brida foi inspirada em uma bruxa que Paulo Coelho conheceu em suas andanças pela Irlanda. O livro foi um sucesso e também foi adaptado para a TV manchete em formato de novela nos anos 90.

Ler esse livro foi uma oportunidade incrível para quebrar preconceitos, iniciar uma nova jornada nesse gênero e por que não com os livros do autor? É um livro que sem dúvidas me transformou e trouxe muitas questões e pensamentos para a minha vida. Brida tem muito good vibes e me foi aquele livro que li feliz da vida, sabe? Trouxe aquele quentinho para o meu coração ❤ Já estou louca para ler O alquimista e o diário de um mago.

Apesar da foto do livro ser da Editora Planeta, li o exemplar da Editora Rocco. Esse da foto bem velhinho e que se tornou meu queridinho. 

E aí, curtiram o post? Não se esqueçam de comentar. Estou amando postar todos os dias, está sendo uma experiência fantástica para mim e espero que para vocês também ❤

Beijos,

Ju.

 

A hora do arrepio · Contos de Terror · Halloween · Halloween em noite de lua cheia (A hora do Arrepio) - R. L. Stine · Resenhas · SBT · Sobrenatural · The Nightmare Room · TV · [Anos 90] · [Editora Rocco] · [Leitores] · [Literatura] · [Livros] · [R. L. Stine] · [Séries] · [Terror]

Halloween em noite de lua cheia (A hora do Arrepio) – R. L. Stine

 Tristan acha seu novo professor, Sr. Delua, muito estranho.E está prestes a descobrir o quanto estranho ele é ao ser convidado a participar da sua festa de Haloween… onde todas as portas e janelas são trancadas com barras de ferro… E uivos de lobisomem ecoam por toda a casa!

Olá, sentiram a minha falta? Depois de um longo tempo longe por um turbilhão de motivos, estou aqui de volta com o primeiro post do ano *–* Desejo todos a vocês um BIG 2017 recheado de paz, saúde, amor, felicidades e luz. E como não poderia deixar de ser, mesmo enrolada com TCC e diversas outras coisas, trouxe um post sobre um livro super gostosinho de ler. E se preparem, porque vão ter mais posts durante a semana! Estou na reta final do meu tcc, mas decidi – para me distrair – aparecer por aqui e atualizar com os livros que já li e séries que venho assistindo. Vocês vão adorar as novidades que vamos ter esse ano *O*

A hora do Arrepio (The Nightmare Room) é uma série de livros do escritor R. L. Stine, que muitos de vocês devem conhecer. Stine é autor de Goosebumps, Rua do Medo, The Haunting Hour e Fantasmas à solta. Suas histórias também inspiraram a criação da série Clube do Terror (Midnight Society) que ficou muito famosa nos anos 90 e passava a tarde na TV Record. O autor tornou-se famoso, pois seus livros venderam mais de 300 milhões ao redor do mundo e por conta disso, entrou no guinness book. Antes de Harry Potter fazer história, R. L. Stine fez um marco na literatura.

 Suas séries faziam tanto sucesso que foram adaptadas para a TV e recentemente para o cinema. A série de A Hora do Arrepio passava nas tardes do SBT e contou apenas com 13 episódios. A série de livros teve 15 livros publicados, 11 desses sendo publicados pela Editora Rocco no Brasil. Halloween em noite de lua cheia é um dos meus favoritos da série e possui um episódio que vocês podem assistir no youtube (está no final do post). Grande parte dos livros da série foram adaptados para a tv e com isso, tiveram que mudar algumas coisas – o que é super comum nas adaptações -, mas a essência das histórias ainda são as mesmas.

 Se você nunca leu ou assistiu alguma coisa do universo do R. L. Stine, primeiro tem que entender que o R. L. Stine trabalha com terror psicológico e que escreve para o público infantojuvenil. Ele também têm livros de terror para adultos, mas seu público alvo maior são os teens. E essa é uma das características mais ricas de suas histórias. Nelas, vão encontrar escolas, famílias, crianças, casais de namorados, jogadores de basquete se envolvendo em várias aventuras com monstros, zumbis com muito terror. E claro, sem deixar a diversão de lado!

E em Halloween em noite de lua cheia não poderia ser diferente. Nessa história, temos uma turma de amigos: Rosa, Tristan, Ray e Bella que são convidados pelo misterioso professor Sr. Delua para a festa de Halloween na casa dele. O problema é que o professor é novo na escola e já parece ter uma implicância com esses alunos. Eles ficam mais ressabiados ainda ao descobrirem que os outros alunos da escola não foram convidados. Até o filho do Sr. Delua, Michael tenta convencê-los a não irem. Para completar, o lugar onde moram está sendo alvo de ataques de algum tipo de animal que vem assassinando os bichinhos de estimações da vizinhança. Mas os amigos resolvem não dar corda e acabam embarcando em uma noite misteriosa e cheia de reviravoltas.

O que notei – tanto na história quanto no episódio – é que as partes pesadas da história permaneceu, o que contribuiu para o clima soturno do livro. Mesmo escrevendo para o público infatojuvenil, Stine deixa o teor mais sombrio em suas histórias – sua marca registrada. Halloween assim como grande parte dos seus livros, possui um final intrigante e muito criativo. A leitura é leve, fluída e muito envolvente. É um livro em que é possível ler de uma vez só. Outro detalhe sobre a série é que foi muito influenciada por Twilight Zone com sobrenatural/ terror e ficção científica como tema. Mas isso aí é assunto pra outro post. 

Para a galera que curte terror psicológico com  uma linha mais leve para o público infantojuvenil, as histórias de R. L. Stine sempre serão uma ótima pedida. Assistam o episódio baseado no livro e não esqueçam de me contar o que acharam ❤

Fear Street · Globo Alt · Jogos Macabros · Jogos Macabros lançamento do livro do R. L. Stine pela Globo Alt · Party Games · Rua do Medo · [Livros] · [R. L. Stine] · [Séries] · [Terror]

Jogos Macabros, lançamento do livro do R. L. Stine pela Globo Alt

Eu nem acredito que estou postando isso, mas a Rua do Medo do R. L. Stine está finalmente de volta! Quem me acompanha sabe que sou super fã dele, já fiz vários posts a respeito por aqui e é claro que já garanti o meu exemplar.

O livro já está em pré – venda e disponíveis em várias livrarias virtuais. Para quem não sabe, Jogos Macabros é a tradução de Party Games, livro que foi publicado em 2014 e marca o retorno a famosa Rua do Medo. A série ficou famosa nos anos 90 pela Editora Rocco e agora está sendo publicada pela Globo Alt. Na fanpage da Editora é possível ler o primeiro capítulo. Eu estou DOIDA para ler esse livro há muuuito tempo. Só não li antes, porque não queria ler em eBook. Aproveita que o livro combina com o Halloween que já está se aproximando. É uma super pedida ❤

 

Confira a sinopse e os quotes da história:

Conhecido mundialmente por seus livros de terror e suspense, com centenas de milhões de exemplares vendidos, R. L. Stine desponta no cenário da ficção juvenil pela genialidade na criação de enredos sinistros. O“Stephen King da literatura juvenil” ficou famoso na década de 1990 com a aplaudida coleção Rua do Medo. Quase duas décadas depois do último volume, Stine atende aos pedidos dos leitores e lança o livro inédito Jogos macabros, publicado no Brasil pela Globo Alt. Tal como os outros títulos da coleção, a história se passa na velha cidade de Shadyside, nos EUA, conhecida por ser palco de acontecimentos misteriosos e aterrorizantes envolvendo os alunos da escola local. Todos na região conhecem a excêntrica e rica família Fear, e sabem também do passado terrível que os assombra. Apesar desses histórico nada promissor, Brendan Fear parece ser um garoto diferente de sua família. Gentil e simpático, o jovem vive rodeado de colegas e chama a atenção de Rachel Martin, uma garota simples, colega de classe dele. Quando o aniversário de Brendan está prestes a chegar, ele começa a planejar uma comemoração um tanto diferente na isolada ilha do Medo, onde existe um casarão de veraneio pertencente à família Fear. Rachel é uma das convidadas para passar o final de semana no local sombrio e, contrariando os avisos dos amigos, decide ir. No caminho, coisas estranhas já começam a acontecer e, ao chegarem à mansão, Brendan dá as coordenadas para o início de um jogo que se revelará o mais mortal de todos. Repleto de reviravoltas, “Jogos macabros” mantém o leitor apreensivo da primeira à última página. Como todo bom enredo de R. L. Stine, a história dá espaço a fantasmas, assassinato, traição e romance, e marca, enfim, um retorno triunfal do autor à Rua do medo. ‘

“Quer um conselho? Não chegue perto da família Fear”

 

“A maioria das pessoas interpreta isso como um aviso”

 

“A floresta é linda, perfumada e tranquila. Mas poucos residentes de Shadyside fariam uma caminhada ou um piquenique por ali.”

Continue lendo “Jogos Macabros, lançamento do livro do R. L. Stine pela Globo Alt”

Fantasmas · Freeform · Resenhas · Serial Killer · Teorias · Terror Psicológico · TV · [Abc Family] · [Literatura] · [Livros] · [Pretty Little Liars] · [Sara Shepard] · [Séries] · [Terror] · [Um vício chamado Pretty Little Liars]

Um vício chamado Pretty Little Liars

Já faz um bom tempo em que estava para fazer esse post, mas a falta de tempo e a dificuldade em começar esse texto me impediam. Não é segredo para ninguém que sou muito fã de Pretty Little Liars. Tem dois anos que acompanho a série e a cada episódio, fico mais viciada.

SPOILERS! Leia por sua conta e risco! 

Pretty Little Liars é uma série de TV da Abc Family, baseado na série de livros de mesmo nome da Sara Shepard e publicado pela Editora Rocco. Apesar de não ser fiel aos livros, PLL gira em torno da noite do feriado do dia do trabalho no qual Alison Dilaurentisa adolescente queen bee – desaparece misteriosamente e é dada como morta.  No fatídico dia, Alison passava a noite com as amigas no celeiro da Spencer.

Um ano se passa, as amigas se separam e seguem suas vidas. Mesmo sendo amigas de Alison, uma parte delas se sente aliviada. Infelizmente Alison era uma pessoa perigosa, do tipo que adorava ameaçar e praticar bullying com os outros. Ela conhecia o segredo de cada uma e se aproveitou disso diversas vezes. Alison Dilaurentis é aquela figura mítica: rainha da escola, popular, admirada e seguida por meninos e meninas que amava pisar nos outros.  Exatamente um ano depois do seu sumiço, o corpo da jovem é encontrado. As meninas acabam se reaproximando e começam a ser chantageadas por -A que sabe todos os segredos. Curiosamente, coisas que só Alison sabia.

Confesso que comecei a assistir por insistência das minhas primas. Na minha cabeça, PLL era uma série no estilo Gossip Girl. Só que no momento em que comecei a assistir, percebi o quanto estava enganada. Na primeira temporada, temos o desenrolar da noite mais comentada de Rosewood (onde se passa a série) e acompanhamos o que rolou depois de toda a tragédia. Vemos as meninas tentando voltar a sua vida normal, com amores, muitas festas e agitos, mas -A não deixa barato e as assombra o tempo inteiro, seja por sms anônimos ou cartas. Com muito terror psicológico e como não podia deixar de ser, muitas mentiras. A primeira temporada não é uma das minhas favoritas. Achei muito confusa, fraca e com muitos furos. Mas definitivamente tem alguma coisa nessa série que prende a atenção do telespectador.

Já a segunda temporada é uma das minhas favoritas. A trama começa a amadurecer e observamos um clima sombrio que ronda a série e que vem pra ficar. O desenrolar dos enigmas, o início dos casais e o lado detetive de Spencer me tornaram fiel a PLL. E claro, não poderia deixar de citar a descoberta de que Mona é -A. Foi incrível! Sem dúvidas, foi um dos pontos altos da série. Nunca vou me esquecer do último capítulo em que é revelado, Mona de capuz preto e o covil de -A. O ponto fraco fico por conta de Maya, a namorada de Emily que é uma personagem who, não diz a que veio e foi pouco explorada. Sei que não tem como dar espaço para todos os personagens, mas até agora não consegui encaixar a morte dela com a história em si (a princípio, segundo os produtores, a morte dela não está ligada ao psicopata da série). Como em PLL tudo pode acontecer, não descartei possibilidades ainda.

Já a terceira e quarta temporada são as melhores ever na minha opinião. Elas têm uma sequência de enigmas e mistérios que compõem a trama e estão equilibradas. São temporadas bem escritas e desenvolvidas. Na terceira temporada, vemos que Mona está no Radley, hospital para pessoas que possuem problemas com distúrbios psicológicos e descobrimos que há um novo -A e que ele/ ela roubou o seu jogo. E quando as liars pensam que finalmente estão livres, se descobrem mais presas aos segredos e mentiras. O ep 3×01 “Aquela noite” é a entrada para a “nova fase” de PLL. Qualquer semelhança com o 1×01 não é coincidência. Segundo a produtora Marlene King, foi intencional. Como se estivesse inciando uma nova série dentro da série. Que loucura! Outro ponto positivo é que a série é famosa pelos episódios temáticos de Halloween. Não curti muito os primeiros, achei bem fraquinho. Só que o da terceira temporada se passa no trem e omg! É maravilhoso!!!  Com direito a Adam Lambert cantando muito em uma noite pra lá de sombria. Esse é um dos meus episódios preferidos que não me canso de ver, só perde pro especial de Halloween da quarta temporada). Acho que se algum espectador tem dúvidas sobre PLL, na terceira tem tanto suspense, surpresas e mistérios que é impossível não se envolver ❤

A quarta temporada marca a entrada de novos personagens intrigantes como Cece que acrescentam e confundem a trama. Temos também o ponto alto da temporada que é o episódio especial de Halloween, se passa no cemitério da cidade pra lá de estranha Ravenswood que marca o início da série paralela de mesmo nome que flopou. Nem preciso dizer que amei esse episódio né? Uma das coisas mais fantásticas em PLL é que mesmo sendo uma série de jovens, eles vão fundo no terror e suspense. Jovens mentirosas se metendo em confusões aterrorizantes? É a minha cara

Já a quinta temporada foi um erro atrás do outro. Com a volta da Alison, acreditamos que finalmente teríamos respostas, o que não aconteceu. Só teve enrolação, as liars super passivas a amiga que estava desaparecida, o que ninguém esperava e episódios bem entendiantes. A morte da Mona foi uma das coisas mais horríveis que aconteceu, ela só desacelerou a trama. Porque era justamente a Mona quem poderia agilizar a descoberta de -A, o que novamente não rolou. A própria Marlene King comentou que sentiu que os fãs estavam desmotivados. E pra completar, não tivemos o especial de Halloween, mas sim o de Natal que foi um dos episódios mais parados. A história prometia muito, mas parece que se perdeu no caminho. Podíamos ter ficado com o episódio de Halloween. O triste é que de acordo com a produção, não vão ter mais especiais de Halloween. Torço para que mudem de opinião, porque eles são sempre os melhores e funcionam como extras da trama.

Para a sorte dos fãs, a sexta temporada começa literalmente lacrando. Parece que realmente a produção de PLL está cumprindo as suas promessas, o que significa que começamos a ter respostas. Os episódios até agora se dividiram em agitados e parados, mas é totalmente compreensível em vista dos últimos acontecimentos. Mas nota-se que eles marcam uma nova fase da série, mais direta e bastante dark. De acordo com os grupos de fãs, descobriremos quem é -A no último episódio do primeiro arco da sexta temporada. Depois teremos um pulo de 5 anos no qual veremos as liars mais velhas e com vidas diferentes. Praticamente uma nova história dentro da série, iniciando uma nova fase na história.

Uma parte de mim está adorando e outra triste, porque o dia em que nos despediremos de Pretty Little Liars está se aproximando. A série vai terminar na sétima temporada.  Não é fácil dizer adeus a uma série que demorou a me conquistar, mas quando menos esperei roubou o meu coração. Apesar do roteiro ruim, a trama clichê e possuir um enredo quase fantasioso, vejo PLL como uma alegoria da vida. Quem assiste sabe que alguns personagens somem do nada, relacionamentos terminam assim como acontece no dia a dia. Todo mundo já sofreu nas mãos de alguma Alison ou já teve alguma fase Spencer em sua vida. O fato é que essa é uma série de acelerar os seus batimentos cardíacos e quebrar a cabeça com teorias. Se eu tenho palpite de quem é -A? Claro, mas isso vou deixar para outro post!

E ah, uma das coisas mais divertidas da série é que ela é cheia de referências a filmes e músicas, principalmente antigas e os nomes dos episódios são super criativos. Também tenho que parabenizar a produtora Marlene King por conseguir fazer com que todos os personagens parecessem suspeitos. Sou Escritora e sei o quanto isso é difícil. É por essa e outras que amo e apaixonada por PLL ❤

Espero que tenham curtido o post! E vocês, tem alguma série em que são viciados? Já assistiram PLL? Divida comigo nos comentários. Vou adorar saber ❤

99 fear street · A hora do arrepio · Clube do terror · Contos de Arrepio · Contos de Terror · Cultura Gótica · cultura pop · Dark · Editora Fundamento · Fantasmas da rua do medo · Ghosts of Fear Street · Goosebumps Horrorland · Goosebumps series 2000 · Halloween · Infantojuvenil · Jogos Macabros · Lobisomens · Minhas coleções de livros do R. L. Stine · Mistério · Misticismo · Party Games · Rua do Medo · Serial Killer · Sobrenatural · Teen · Terror Psicológico · TV · Zumbis · [ The Haunting Hour] · [Anos 90] · [Crônicas] · [Editora Rocco] · [Filmes] · [Goosebumps] · [Leitores] · [Literatura] · [Livros] · [R. L. Stine] · [Terror]

Minhas coleções de livros do R. L. Stine #Parte1

 

Dizem que na vida todo mundo carrega um vício. Alguns chocolate, roupas e nos meu caso foram os livros. Ué, como assim foram? Bem, não escondo de ninguém que sempre fui apaixonada por livros e isso me fez comprar vários, alguns de forma impulsiva. Com o tempo, reparei que não era justo. Consegui me “desapegar” e doei alguns livros, dei, troquei, fiz sorteios e vendi. Cheguei a conclusão de que posso amar os livros, mas isso não significa que deva comprar sem parar e deixar largados na estante “só pra tirar foto” ou como dizem, “ostentar”. Meus livros diminuíram muito e agora posso dizer que não são mais um vício, mas sim uma paixão.

Ainda assim, me permiti cometer algumas loucuras hehe. Todo mundo é fã de alguém na vida. Seja na música, na tv ou na Literatura. Comigo, não podia ser diferente. Sempre que leio livros e acabo me apaixonando pela escrita do Autor, decido acompanhar as outras obras dele.  Hoje venho apresentar a minha coleção de livros de um dos Escritores que mais amo no universo, R. L. Stine ou Bob – como os fãs o chamam.  Pode não parecer, mas sou muito exigente com os livros. Tirando o R.L. Stine, também faço coleção dos livros da Agatha Christie, Stephen King, L. J. Smith, Paula Pimenta, Scott Westerfeld, Marian Keyes e J. K. Rowling. Se vocês toparem, faço outro post sobre as minhas outras coleções.

 

 

Draculaura fazendo companhia aos irmãos *–*

Meu interesse pelos livros do R. L. Stine começou com a série que acompanhava pela TV e os livros que tinham na Biblioteca e feirinha do colégio que estudava. Na época, não tinha dinheiro para comprar e costumava pegar emprestado da biblioteca e das amigas. Foi assim que acabei me apaixonando pela escrita instigante e viciante do Escritor. O que mais me impressionava é que apesar de escrever para crianças, os adultos também liam os seus livros e ficavam encantados. Acho que essa é a magia do livros, torná-los universais de forma que diferentes públicos se interessem por ele.

Passei praticamente a minha infância e adolescência inteira assistindo O Clube do Terror, Goosebumps e A hora do arrepio. Como falei em outro post, todas essa séries e mais The Haunting Hour – uma espécie de regravação de A hora do arrepio em 2010-  foram baseadas em seus livros. Alguns episódios podem até ser diferentes dos livros, mas 90 % segue o ritmo da história. O tempo passou, acabei parando de assistir, mas os livros dele nunca saíram do meu coração. E foi quando comecei a escrever os meus próprios livros  buscando Livros e Escritores que me inspiraram, fiz uma viagem no túnel do tempo e decidi começar a fazer coleção. Ah Juliana, mas são livros de criança! Não, não são. R. L. Stine tem fãs de todas as idades, é super popular nos Estados Unidos e também escreve livros para adultos, na mesma vibe de Stephen King.

 

 

Acho que o destino quis ajudar, porque em uma dessas trocas em que me desfiz de alguns livros, encontrei uma leitora que queria trocar os livros dele. Foi um sinal e a partir daí, comecei a caça aos livros de Bob. Infelizmente alguns títulos como Rua do Medo, Fantasmas à solta e A hora do arrepio foram publicados pela Rocco há muito tempo e não faço ideia se eles continuam publicando. Já os exemplares de Goosebumps são publicados pela Editora Fundamento. Resumindo: alguns comprei em sebos, troquei e ganhei de aniversário e sem ser no meu aniversário hahaah. O mais legal é que amigos costumam encontram os livros dele e logo vem me avisar. Adoro quando sou lembrada, isso é bem coisa de fã ❤

Sei que vocês devem pensar que a minha coleção é modesta, mas acreditem que estou fazendo de tudo pra adquirir mais títulos. Até já entrei em contato com donos de sebos pra vocês notarem o amor que tenho por essas séries. Também acabei fazendo muitas amizades com outros fãs, o que é ótimo. Apesar de R. L. Stine ser popular no Brasil é difícil entrar em contato com os fãs. A notícia boa é que recentemente foram públicados lá fora dois livros da Fear Street: Party Games e Don’t stay up late, ou melhor da Rua do Medo e estou torcendo para a Rocco publicá-los. Já perguntei para eles, mas a Editora ainda não me respondeu a respeito. R. L. Stine participou de um Evento de lançamento do livro na semana passada em Nova York, o que me fez ficar bem triste por não poder estar lá, mas quem sabe um dia? Sonhar não custa nada!

Para o texto não ficar mais longo, se vocês toparem, posso falar sobre os livros em futuros posts. E aí, topam? Outra notícia boa é Goosebumps vai virar filme com Jack Black. Pirei com a notícia ❤ Isso é ótimo para os livros e o R. L. Stine voltarem com força total! 2015 é um ótimo ano para ser fã de R. L. Stine hahaha