Tudo o que gostaria de saber sobre The Haunting Hour

Como todo mundo sabe, sou muito fã do R. L. Stine e depois de tirar férias com direito a Netflix, vim compartilhar com vocês uma das minhas séries favoritas.  Senhoras e senhores, apresento The Haunting Hour.

 The Hauntig Hour – A Série é um seriado americano de terror, com episódios de meia hora. O show estreou no canal The Hub nos Estados Unidos em 2010. Voltado para crianças e jovens, a trama é inspirada nas histórias de terror do Autor R. L. Stine. Cada episódio possui uma história diferente, alguns com continuações, outros não.

“A Floresta De Lovecraft “: um dos episódios mais assustadores e um dos melhores da série.

A série segue a mesma linha de A Hora do Arrepio (The Nightmare Room), seriado que passava no SBT em 1998 e é uma série publicada pela Editora Rocco, escrita pelo R. L. Stine. Nos episódios, forças ocultas e criaturas sobrenaturais envolvem as histórias cujo mistérios no final são revelados. A trama tem uma carga muito forte com lição de moral, assim como as outras obras do Stine – Goosebumps e Clube do Terror. The Haunting Hour foi reprisado recentemente pelo canal HBO Family e apresentou vários atores que começaram a carreira no programa, como Debby Ryan (do seriado Jessie) Dylan Minnette que curiosamente protagonizou o filme de Goosebumps em 2015 no papel do adolescente Zach Cooper.

Alguém conhece esse rapaz? Foto nos bastidores da gravação do episódio que Dylan participa.

Uma coisa muito comum na série são os atores participando de outros episódios e interpretando diferentes personagens, visto que a maioria dos episódios são independentes dos outros ( Dylan foi um desses). A série possui vários episódios inesquecíveis. Quem não se lembra da boneca psicótica em “Igual a você: parte 1 e parte 2”? Ou da pousada sinistra de “A Pousada dos Pesadelos”? A pousada dos pesadelos é um dos meus episódios favoritos ao lado do episódio “Vô Vampiro – parte 1 e 2”, que por sinal tem Christopher Lloyd – a lenda de De volta para o futuro – no papel do avô vampiro. Quase pirei quando descobri isso haha

Olha o Lloyd como vampiro *–*

Mas um dos melhores episódios e mais assustadores é sem dúvidas “A Floresta de Lovecraft” que é uma clara referência/ homenagem ao Escritor Lovecraft, um dos maiores escritores de horror que já existiu. O episódio é surreal e aborda um dos meus temas preferidos na ficção.  Outro episódio que me deixou assustada foi o “Espantalho” e o seu final destruidor. Juro que nunca imaginei um final daquele! Para ter uma ideia, a série produziu um final alternativo para esse episódio. E mesmo assim, nem em mil anos esperava que terminasse daquela forma. Foi chocante!

Apesar de seguir ideias semelhantes as “séries – irmãs” como: A hora do Arrepio, Clube Do Terror e Goosebumps, senti que The Haunting Hour flerta bem mais com Além da imaginação (The Twilight Zone) – série clássica de terror, sobrenatural e ficção cientifica da década de 50 que foi refilmada nos anos 2000 e exibida no SBT – só que para o público infantojuvenil, com finais repletos de reviravoltas e arrepios. R. L. Stine já confirmou em entrevistas que TTZ foi uma grande inspiração para as suas séries. Por conta disso, The Haunting Hour se tornou uma das minhas séries favoritas desde que descobri no youtube. Ah, a série foi filmada em Vancouver no Canadá e possui um visual de tirar o fôlego. Mais um motivo para assistir >.<

Se você curte enigmas, histórias eletrizantes e um bom conto de terror, assista The Haunting Hour! A série ainda está disponível no Netflix e tem três temporadas por lá. Especula-se de que em breve o Netflix vai passar a 4ª temporada.  Escute os meus conselhos e vá assistir! Garanto que a sua vida nunca mais vai ser a mesma.

P.s: Essa série foi uma das inspirações que tive para escrever Maratona Do Terror ❤

[Diário de uma Escritora Outsider]: #Dia2 Ritual para escrever terror

Eu prometi vários posts para semana passada e falhei miseravelmente. Vocês já devem estar cansados das minhas promessas, né? Mas por favor, não desistam de mim!

Caso vocês não saibam, sou aluna de Letras da UFRJ e isso quer dizer que fiquei quase quatro meses parada por causa da greve e o período equivalente ao 2015. 2 começou em Novembro. Então, enquanto todo mundo está curtindo as férias, estou me dividindo entre leituras – trabalhos – seminários – provas da faculdade, trabalhos da vida real, vida social e livros que escrevo. Acaba que sem querer o site fica por último. Juro que estou tentando mudar isso.

Essa semana é a primeira que fiquei sem nenhuma pendência da faculdade – a princípio, porque comecei a ler os livros para a minha monografia – e a primeira coisa que pensei é que finalmente vou poder me dedicar a Maratona Do Terror 2 ou aquele livro de bruxas que não paro de falar por aqui. Pausa para dizer que eu sou completamente enlouquecidamente apaixonada por bruxas. É uma relação surreal, quase sobrenatural que não consigo explicar. Desde pequena sou fascinada por esse mundo, assisto Abracadabra – que é um dos meus filmes favoritos da vida – desde que me entendo por gente, assistia A hora do Arrepio, Goosebumps e Clube do Terror nas minhas tardes em casa ou nos sábados. Lembro também que sofria muito, porque aqui no Brasil não se comemora o Halloween. A lembrança mais antiga que tenho é de receber a Revista da Barbie (sim, eu fui assinante) que era um especial de Halloween do dia do das Bruxas e surtei. Fiquei tão pirada que tenho até hoje o que restou do exemplar, porque cortei a revista toda e colei no caderno que escrevo Maratona Do Terror 2. Eu sou aquela louca por Bruxas e Halloween.

 

Como me descobri com tempo livre, resolvi voltar a escrever Maratona Do Terror 2. A história desse livro começa no #NaNoWriMo 2015 quando decidi atingir 50 mil palavras. E eu consegui! Só que quando cheguei na meta, decidi descansar um pouco e aconteceu o inevitável. Me distanciei da história, não terminei de escrever e não cumpri a minha meta. Fiquei bastante chateada, mas isso não dependia só de mim. Afinal, tinha que trabalhar e fazer trabalhos para a faculdade. Conciliar é algo muito difícil para uma pessoa desfocada como eu.

E é claro que o meu ritual para escrever não seria uma coisa fácil. Eu moro com um monte de gente, barulho e distração fazem parte da minha realidade. Logo, só encontro silêncio de madrugada e isso se torna uma coisa muito complicada quando se tem que acordar sete horas da manhã ou até antes para ir a faculdade. Voltando ao assunto, como fiquei muito tempo longe da história e mesmo com o esqueleto pronto, precisava entrar na vibe do livro. E isso inclui assistir filmes e séries temáticos, escrever ouvindo música e pesquisar em mais de cinco abas tudo sobre bruxas, halloween e etc. Não, isso não é uma desculpa. Isso é uma realidade quando se é uma Autora de terror.

 

Sim, isso dá um trabalho do caramba. Só que é essa parte de desafio, de descobrir mais e mais coisas que vão me inspirar e agregar coisas ao meu conhecimento que gosto mais, que me dá mais vontade de escrever. Eu sempre descubro alguma coisa diferente, algum dado importante ou encontro um livro que vai me ajudar. É uma longa lista de referências que me ajudaram muito a chegar no ponto em que estou e pretendo em fazer um post só sobre isso.

Playlist selecionada, som bem alto para nada me atrapalhar, várias abas abertas e caderno do Maratona Do Terror no lado, chegou a hora de voltar para Amy e companhia. Senti muita falta deles. Vocês vão ainda ouvir muito sobre eles ❤

E não, para me inspirar a escrever, não preciso me conectar a fantasmas, nem nada do tipo. Minha mente já viaja normalmente lol.

Se assuste comigo: As cinco máscaras do Dr. Gritus (Goosebumps – Castelo dos Horrores 03)

Que eu sou fã do R. L. Stine, não é novidade para ninguém, mas aproveitei essa vibe de Halloween para falar sobre um livro dele que amei e é muito arrepiante, As cinco máscaras do Dr. Gritus – Goosebumps / Castelo dos Horrores: Vol 3/. Esse livro faz parte da série Goosebumps, que já falei aqui anteriormente e vai estrear esse mês no Cinema com Jack Black. Assim como a série Goosebumps Horrorland, no qual as histórias se passam em um parque de diversões sinistros, Goosebumps Castelo dos Horrores são histórias contadas que se passam em um Castelo assombrado com a presença de um narrador sinistro. Até onde sei os volumes são independentes – ou seja – é possível ler fora de ordem numa boa.

As cinco máscaras do Dr. Gritus conta a história de dois irmãos, Mônica e Peter que não se dão bem. Ela é a filha mais velha que tem que cuidar e tomar conta do irmão mais novo, o Peter que é a dor de cabeça em forma de gente. Bagunceiro, respondão e desobediente, o garoto tira a irmã do sério e para completar acaba arruinando o seu Dia das Bruxas, já que Mônica fica encarregada de levá-lo para pegar doces. Só que Peter acaba estragando a noite ao ficar irritando as amigas da irmã e os dois se veem sozinhos com uma noite inteira para desfrutar. É a partir daí que as coisas começam a fugir do controle. Teimoso do jeito que é, Peter decide ir buscar doces em uma Rua deserta na qual ele e a irmã não tem muito costume de passar. Ao chegar lá, acabam conhecendo a dona que é uma mulher um tanto peculiar e quando notam, já estão envolvidos em uma aventura recheada de perigo e muitos sustos.

Curti muito a leitura desse livro, pois As máscaras do Dr. Gritus me cativou e mais uma vez, R. L. Stine me surpreendeu. Suas tramas são irresistíveis, pois ele consegue construir uma narrativa completa, bem costurada e sem furos. Goosebumps é aquele tipo de livro que você chega ao fim e diz: “- Não acredito que ele fez isso comigo!”. O autor consegue juntar terror, fantasia, aventura com um pé na comédia e fazer tudo de forma muito coerente. Outro ponto positivo são os personagens que são muito bem construídos que podiam ser perfeitamente pessoas comuns, mesmo o livro se passando em um ~enredo fantasioso ~ E é justamente isso que mais me fascina nesse tipo de trama.  Os livros de terror nada mais são do que metáforas para o nosso dia a dia. Vejo tanta gente condenando o gênero, que é do coisa ruim, blá blá; quando na realidade elas retratam o maniqueísmo e a luta do bem contra o mal que enfrentamos todos os dias.

O livro é uma ótima pedida para quem quer curtir o Halloween com livros assustadores. Mesmo tendo como alvo o público infantil – juvenil, R. L. Stine chega a ser ousado em várias partes, fazendo com que até mesmo eu com meus vinte e poucos anos fique refletindo com os finais de seus livros.  Não pense duas vezes e se assuste comigo! Não se esqueça:

★ ★ ★ ★ ★

Sobre Bem – Vindo ao Acampamento dos Pesadelos

No meu aniversário, ganhei Bem – Vindo ao Acampamento dos Pesadelos, livro que pertence a série de livros Goosebumps e publicado pela Editora Fundamento que foi adaptado pra TV na década de 90 e fez muito sucesso. O livro que foi escrito por R. L. Stine, é considerado um “Harry Potter dos anos 90”. Caso não conheça o Escritor, saiba que ele também é autor de A hora do Arrepio, Rua do Medo e Fantasmas à Solta que também foram para a TV e ficaram conhecidos como Clube do Terror,  A hora do arrepio e The Haunting Hour.

Bem – Vindo ao Acampamento dos Pesadelos conta a história de Billy, que vai passar as suas férias no Acampamento dos Sonhos, uma vez que seus pais precisam viajar a trabalho. Ele espera fazer novos amigos e se divertir muito. Só não esperava encontrar os monitores estranhos, a comida do lugar que não é muito boa e Tio Al, o Diretor do Acampamento pra lá de perturbado. Ao mesmo tempo começam a acontecer várias coisas estranhas, seus amigos desaparecem, seus pais não respondem as cartas e alguma coisa ronda o lugar durante a noite, o que faz com que passem várias noites sem dormir.  O que será?

Apesar de ser um livro de terror, o autor tem tiradas ótimas e muito divertidas. Suas histórias também têm várias críticas, mas metaforizadas que deixam reflexões.  Um dos motivos pelos quais sou apaixonada pelos livros do R. L. Stine – ele é meu escritor favorito – é que ele tem o dom de construir uma narrativa envolvente, viciante que te prende até a última linha. Ele é rei em bolar finais sensacionais e inesperados e foi o que aconteceu com esse livro. Depois de terminar, fiquei um tempo pensando sobre o final. Apesar do livro ser destinado ao público infanto – juvenil, Stine costuma caprichar em seus finais.  O louco é que em muitas entrevistas ele afirma que seus Editores sempre pedem pra pegar mais pesado. Para quem CURTE o terror assim como eu, pode se jogar que é diversão na certa. Para quem ainda não sabe, em Outubro vai estrear o filme do Goosebumps, estrelado por Jack Black. E como fã, é claro que postarei sobre o filme aqui!

Pré – Venda + 5 motivos para ler Maratona do Terror

Tenho uma notícia super linda para compartilhar com vocês : Foi liberada a pré – venda do meu livro “Maratona do Terror: Perdidos – Contos de Arrepio” *–* Partiu convidar os amigos, as amigas, namorado, namorada, família, papagaio, cachorro e os inimigos, TODO MUNDO!!!
COMPREM, CURTAM E COMPARTILHAM COM OS AMIGOS ❤ Vamos encher o mundo de Perdidxs!!! Para comprar, clique aqui.

Para quem não conhece ou caiu aqui de paraquedas, listei cinco motivos para ler Maratona do Terror: Perdidos – Contos de Arrepio. Partiu?

Maratona do Terror: Perdidos – Contos de Arrepio é um livro que reúne uma série de contos de fantasia, ficção científica, sobrenatural e terror. Vocês vão encontrar mistérios, amor, enigmas e muitas surpresas.

• No livro vão encontrar também muitas criaturas fantásticas, simbologias, líderes de torcida, lugares assombrados e amigos muito loucos. Uma das coisas que queria era manter o clima anos 80 nas histórias. Espero ter conseguido passar isso.

• Algumas pessoas comentaram comigo que estavam com medo de ler o livro, mas STOP. Se vocês acham que vão encontrar cenas a lá exorcista no livro, fiquem tranquilos que não. Quando tive a ideia para o livro de contos, queria mostrar todo o tipo de terror. Só que o terror é algo MUITO complexo. Para uma criança, pode ser uma prova de matemática e para um homem, pode ser conhecer a sogra. Quando escrevi o livro, queria brincar com o conceito de Terror. E sim, ele é sombrio, foi proposital. Mas sobre medo, isso vai depender muito de cada um. Eu aprendi com os meus mestres R. L. Stine e Stephen King que nem sempre o terror tem muito sangue, nem sempre é preciso morrer alguém pra ficar aterrorizado. O terror é muito maior que isso!

• Muitas coisas me inspiraram a escrever o livro. Até fiz um post sobre isso aqui e se vocês quiserem posso fazer outro post contando, mas o que me mais me influenciou foram os livros e as adaptações do R. L. Stine, como Goosebumps, Clube do Terror, A hora do Arrepio e The Haunting Hour. Adoro a forma como ele escreve e a forma como a história se desenvolve. Esse livro também é uma homenagem a ele.

• Alguns personagens foram baseados em pessoas que conheço. Duas amigas minhas sempre reclamaram que nunca viram uma personagem como elas ou com o nome delas. Não seja por isso, seus desejos foram atendidos. Também incluí o nome de alguns desafetos nas histórias, funciona como uma espécie de terapia. Se os personagens tem um final feliz ou não vão ter que conferir na íntegra haha. Adoro usar coisas da vida real na ficção, acho que isso aproxima o leitor da história.

Caso ainda tenha dúvida se deve ler ou não, compartilho com vocês as entrevistas que dei para os Sites Se Liga Leitor e Endless Poem. O lançamento do livro também foi destaque nos Blogs e sites Minhas Impressões, Minha Montanha Russa de Emoções, Perdidas na Biblioteca,  Iris Figueiredo e no Hey Event (Um site de Portugal *O*). Para deixar um gostinho de quero mais, deixo  alguns quotes do livro que já foram liberados!

 

 

 

Quem é do Rio está super convidado para comparecer ao Evento de Lançamento que será no dia 06 de Setembro ás 16 horas no Estande E19 (Estande da Qualis) no Pavilhão Azul. Quero ver todo mundo por lá! Vai ter muitos autógrafos, selfies e abraços ❤ Confirme presença aqui! E ah, no dia 18 de Outubro vou estar ao lado de vários Autores legais no LiteraCaxias em Caxias (RJ) às 13: 00. Para confirmar presença, clique aqui.  Faltam apenas 12 dias e estou super ansiosa! Volto em breve com mais novidades e informações ❤

 

 

 

Trailer de Goosebumps: Monstros e Arrepios

 Quem me conhece sabe que sou super fã do R. L. Stine e Goosebumps, que foi assunto várias vezes aqui. A adaptação da série Goosebumps publicada pela Editora Fundamento, cuja primeira temporada está disponível no Netflix, ficou famosa por causa da série que foi exibida na Fox Kids nos anos 90. R. L. Stine também é autor de Rua do medo e A hora do arrepio que também viraram séries. O filme tem Jack Black no elenco e estreia prevista para Outubro de 2015. Quem aí está ansioso? Eu tô contando os dias! Podemos comemorar, o terror e os anos 90 estão de volta!!!

Direto do túnel do tempo: O mundo de Goosebumps

Ser criança nos anos 90 significava curtir um monte de coisas legais como Sabrina, a Aprendiz de Feiticeira e séries baseadas nos livros do awesome Escritor R. L. Stine como Goosebumps. Uma das minhas maiores lembranças de quando criança era assistir e ler O Clube do Terror, HorrorlandGoosebumps  e A hora do arrepio. Se você foi criança nessa época, com toda certeza sabe do que estou falando >.<

 R. L. Stine é um Escritor que foi muito popular nos anos 90. Ele foi considerado a “J. K. Rowling” daquela década. Grande parte das suas séries de livros viraram série de TV – com exceção de A rua do medo que também amo. Com temáticas sombrias, suas histórias são cercadas pelo sobrenatural. Fantasmas, bruxas, lobisomens e psicopatas, R. L. Stine consegue fazer uma combinação perfeita de fantasia, sobrenatural e thriller de arrepiar os cabelos. Ao contrário do que muitos imaginam, apesar do público alvo de Bob – como os fãs o chamam – serem as crianças, ele também escreve para adultos como o livro Eye Candy que recentemente foi adaptado para a TV em formato de série pela MTV.

 

Além de ser fã do R. L. Stine, também o considero uma grande influência como Escritora. Adoro como as tramas dele se desenrolam, fugindo do óbvio e personagens clichês.  R. L. Stine consegue dar volta no leitor, surpreender e entregar um final instigante. Ele é um dos meus Escritores favoritos, tanto que faço coleção de seus livros.  O mais bacana é que apesar do livro ser editado por várias Editoras diferentes, as diagramações têm os climas dos livros e as capas são sensacionais, sombrias e desenhadas. Elas viraram referência a obra do Escritor.

O que mais me fascina em Goosebumps (Arrepios em Português e do ano de 1995) é que diferente de O Clube do Terror, os finais nem sempre têm lição de moral. Enquanto que no Clube temos um grupo de adolescentes se reunindo ao redor de uma fogueira para contar histórias assustadoras com uma lição de moral no final,  Goosebumps foge do óbvio e inova com finais e tramas bem arrepiantes. Alguns livros e episódios até achei que não são tão infantis. O próprio autor já contou em entrevistas que seus Editores pedem pra pegar mais pesado. Confesso que fiquei muito surpresa com tal declaração, já que grande parte das pessoas considera os livros infantis bobos e sem graça. Mas não se engane com R. L. Stine, suas histórias infantis assustam até mesmo adultos. E isso é sensacional! A obra de Bob é universal. Eu, vocês, seus irmãos ou filhos podemos ler a vontade. Ele consegue captar a alma dos leitores e escreve para todos os públicos. Quem não se lembra da música de abertura? É inesquecível!

 

                      

Essa é a minha coleção “O universo de R. L. Stine“. Sim, ela já aumentou e se vocês toparem, faço um post só sobre isso!

Recentemente descobri uma série de livros do Autor chamada “Fantasmas à solta” que meu namorado me presentou. Como ele sabe que sou muito fã, descobriu os livros por acaso em uma feirinha e não pensou duas vezes em me presentear. Diferente das outras séries, essa é uma continuação. Infelizmente não tenho o livro 1, mas mesmo assim isso não me impediu de ler e compreender a trama. Parece que “Fantasmas à solta” foi escrita nos anos 80 – como grande parte das outras – e foi um dos primeiros trabalhos do Bob. Foi ali que o autor começou a “fazer o seu nome”.

Há alguns meses também descobri uma série no Youtube chamada The Haunting Hour que foi inspirada nos livros do Autor. Essa série foi produzida recentemente – acredito que em 2006 ou 2010 – e sua essência é muito parecida com A hora do Arrepio e Goosebumps. Tem uns toques de O Clube do Terror, mas as tramas são bem sombrias. Se vocês toparem, posso fazer posts sobre cada uma das séries e os livros que tenho do Escritor. Como podem perceber, não vai ser nenhum sacrifício. Afinal fã nunca se cansa de falar de algo que curte ❤

De todas as séries, Goosebumps é que temos menos episódios no Youtube. Para a nossa felicidade, o NetflixDeus abençoe esse site – comprou várias séries de TV, inclusive a primeira temporada de Goosebumps que tem por lá. Eu claro que já assisti tudo, né? Meus episódios favoritos da primeira temporada são “Bem – vindo ao Acampamento dos Pesadelos” que tenho o livro e “Sorria e Morra” que é maravilhoso e podemos ver Ryan Gosling novinho atuando em uma das suas primeiras aparições na TV.  Já o meu livro favorito de Goosebumps é “O espantalho anda à meia – noite”

Aproveitem para assistir e deixem comentários pedindo para o site liberarem mais temporadas e episódios de uma das séries mais assustadoras dos anos 90.

 

 

 

Para quem curte terror, seja lá qual for a idade, essas séries são muito indicadas. Eu também adoro visitar o site oficial do R. L. Stine que é fantástico. Ele é super atualizado, com informações sobre lançamentos e curiosidades. O autor também é muito ativo no Twitter e super figura. Eu me divirto com os tuítes dele. Para vocês terem uma noção, sou tão fã do Autor que até criei um fã clube dele no Novos Escritores. E claro que os leitores estão super convidados a participarem *–*  Então, se você não conferiu, assistiu ou leu qualquer coisa do R. L. Stine, não perca tempo e corra para ficar por dentro.  O universo do R. L. Stine é definitivamente um caminho sem volta ❤