Editora Fundamento · Geek Girl · Holly Smale · Infantojuvenil · Nickelodeon · Resenhas · Teen · [Disney] · [Literatura] · [Livros]

Geek Girl – Livro 01 (Holly Smale)

Caso você tenha caído de paraquedas por aqui, saiba que apesar de curtir muito ficção sombria, também sou muito fã de comédias. Sejam elas românticas, teens, young adults, etc. É claro que foi amor à primeira vista por Geek Girl que é um livro muito fofo. Apesar de ter o público infatojuvenil como alvo, a galera não só pode, como deve se aventurar por essa série que é pura diversão!

Geek Girl é um livro escrito pela Holly Smale (que é uma fofa e já me respondeu no twitter <3) publicado pela Editora Fundamento e narra a história de Harriet Manners, uma garota inteligente que sofre bullying por “não se encaixar” entre os adolescentes da sua idade. Nat, sua melhor amiga sonha em ser modelo e a arrasta para ajudá-la a realizar o seu sonho. Harriet só não esperava que o jogo mudasse e ela entrasse no meio do caminho (e do sonho) da melhor amiga. Em pouco tempo, a personagem é jogada no meio do mundo da moda sendo vista como uma promessa e tendo que trabalhar com um modelo muito gatinho. Seu pai comemora a novidade enquanto a sua madrasta reluta em aceitar. A relação dos pais dela (sim, a madrasta a criou como filha) rende muitas risadas, os dois são muito engraçados e fogem um pouco do “estereótipo” de pais comuns.

Apesar de não ter sido nerd durante a adolescência e nem uma ótima aluna em matemática e álgebra como a personagem, me identifiquei muito com a Harriet. Principalmente na parte desastrada. Assim como ela, tenho o dom de sair caindo por aí. Somos um imã para esse tipo de coisa. A Harriet é uma jovem ingênua, simples e fiel aos seus amigos e família. A personagem quer viver a sua vida comum, mas é contagiada pelo “E se…” e decide apostar em um futuro diferente. De início, é claro que ela fica com receio com a vida nova. Afinal, Harriet desconhece esse universo da moda, ela vem de outro mundo: o dos livros. A história é muito divertida, bem estruturada e possui uma narrativa super gostosa. A escrita da autora é viciante e a composição dos personagens faz com que os leitores se identifiquem com eles. É um daqueles livros que perdemos a noção do tempo e só notamos quando chegamos ao fim.

Geek Girl é o primeiro da série que leva o mesmo nome do título. Ou seja, têm muitas aventuras da Harriet por aí. A história possui vários plot twits, o que talvez seja surpreendente para muitas pessoas por conta do gênero. Como um bom livro para adolescentes, é claro que não poderia faltar aventuras e muitas confusões. GG também aborda questões importantes como amizade, família, bullying, padrão de beleza e identidade. Geek Girl é um livro bem no clima das séries da Disney e nickelodeon, não duvido nada que no futuro uma dessas emissoras faça uma adaptação para a TV. Aliás, os livros funcionariam muito bem como série de TV, até mesmo por conta da forma como o romance foi criado. Um detalhe que me deixou curiosa é que na época em que li o livro, a capa era igual a que postei lá em cima, mas vi vários blogs e sites divulgando a capa abaixo como a capa do livro 1 (que por sinal é igual a capa original e achei o máximo, porque ela é mil vezes mais linda <3). Que bom que a Editora modificou, já que as capas originais são muito bonitas, divertidas e funcionam bem em grupo.

Acho que ficou claro que me diverti muito com Geek Girl. Foi uma história que me ganhou e deixou um gostinho de quero mais, estou doida pra ler a continuação e saber o que acontece com Harriet e cia. Tem alguém aí que já leu esse livro? Conta para mim, estou doida para saber o que acharam ❤

Beijos,

Ju.

P.s: Essa resenha foi postada anteriormente em meu skoob e blog, mas achei legal compartilhar com vocês e claro, com o texto adaptado ❤

Autoajuda · Brida (Paulo Coelho) · Editora Planeta · Misticismo · Paulo Coelho · Resenhas · [Editora Rocco] · [Literatura] · [Livros]

Brida (Paulo Coelho)

Cresci lendo as colunas do Paulo Coelho em jornais e pessoas viviam me indicando os seus livros quando descobriam que era devoradora de livros. Eu cresci, nunca li e ouvia muitos comentários sobre as obras do Paulo Coelho. Alguns anos atrás, me deram um exemplar de Brida bem velhinho, com a capa antiga ainda e bateu AQUELA vontade de ler. Enrolei um pouco por causa do TCC, mas no mês passado criei coragem e li. Não poderia ter feito coisa melhor!

O livro conta a trajetória de Brida, uma jovem Irlandesa de 21 anos  que deseja encontrar seu lugar no mundo. Brida está em um processo para se encontrar e quer aprender mais sobre a magia e a wicca. Ela procura o mago de folk, um homem misterioso e respeitado como sábio que a aceita como discípula. No decorrer da narrativa, a personagem descobre que precisa passar por muitos obstáculos e superar os seus medos. O mago explica a garota, que a magia pode ser ensinada através da tradição do sol e da tradição da lua.

Acompanhamos o crescimento da personagem ao descobrir a sua identidade. Brida se encontra na wicca com a ajuda do mago. Juntos, eles aprendem muitas coisas e acabam ensinando um ao outro, coisas que haviam esquecido.

Tenho muitas coisas para falar sobre esse livro e a primeira é que a minha experiência com essa história foi incrível. O livro superou as minhas expectativas. Sempre tive muito receio com literatura de autoajuda e não vou negar, julguei muito. Mas se alguém, algum dia me dissesse que em 2017 leria um dos maiores autores de autoajuda que existe e me tornaria fã dele, riria na cara dessa pessoa. Só que as coisas mudam e como mudam…

Primeiro preciso dizer que o leitor pode ler Brida de diversas formas, assim como fiz. Primeiro como leitora, aberta para a criação de Paulo Coelho, sua ficção, ensinamentos sobre a wicca e lições de autoajuda. Segunda como uma autora de fantasia/ mística; Paulo não cria uma mitologia, mas é interessante como ele conecta a magia a trama, de uma forma que a torna crível para a história, sem soar clichê ou falso. Terceiro como admirador da wicca/ wiccano; eu não sou wicca e desconheço a religião, mas foi bacana ler a respeito, saber mais sobre as tradições do sol e da lua, sobre os rituais e sobre como tudo na vida é importante. O que fazemos aqui, o quanto nos doamos pelas pessoas que amamos, pelas pessoas que ajudamos e etc, tudo isso é válido como experiência e conta muito se você quer encontrar o seu lugar no mundo. Se você se encaixa em alguma dessas opções, acredito que terá uma experiência muito bacana com Brida.

Terminei de ler Brida muito rápido e lamentei muito, porque é aquele tipo de livro que você não quer acabar. A leitura é envolvente, gostosa e o vocabulário do autor e sua linguagem são bem simples, mas que DE forma alguma diminua sua importância. Pelo contrário, isso a torna mais aberta. As mensagens que Brida passa podem não ser novas, pode estar escrito ou dito em algum lugar – como a bíblia – por exemplo, mas é incrível como Paulo consegue atrelar isso a trama de forma única. Sei que Brida não é o livro queridinho de quem curte as obras do escritor, mas mesmo sem ter lido suas outras obras, tenho um carinho imenso por Brida, já que foi o meu primeiro contato com o autor e que ensinou muito sobre literatura, vida, amor e sobre mim mesma. Brida carrega uma dose forte de misticismo, mas não é preciso ser religioso para ler. Só é necessário querer ouvir a história da personagem, que nada mais é do que a jornada do herói, do ser humano pela busca da sua identidade, para ter uma vida melhor e poder fazer a diferença, com boas ações. Para quem não sabe, Brida foi inspirada em uma bruxa que Paulo Coelho conheceu em suas andanças pela Irlanda. O livro foi um sucesso e também foi adaptado para a TV manchete em formato de novela nos anos 90.

Ler esse livro foi uma oportunidade incrível para quebrar preconceitos, iniciar uma nova jornada nesse gênero e por que não com os livros do autor? É um livro que sem dúvidas me transformou e trouxe muitas questões e pensamentos para a minha vida. Brida tem muito good vibes e me foi aquele livro que li feliz da vida, sabe? Trouxe aquele quentinho para o meu coração ❤ Já estou louca para ler O alquimista e o diário de um mago.

Apesar da foto do livro ser da Editora Planeta, li o exemplar da Editora Rocco. Esse da foto bem velhinho e que se tornou meu queridinho. 

E aí, curtiram o post? Não se esqueçam de comentar. Estou amando postar todos os dias, está sendo uma experiência fantástica para mim e espero que para vocês também ❤

Beijos,

Ju.

 

Galera Record · Insaciável · Insaciável #01 (Meg Cabot) · Paródia · Resenhas · Sobrenatural · [Literatura] · [Livros] · [Meg Cabot]

Insaciável #01 (Meg Cabot)

Se tem uma coisa que sempre curti muito foram histórias de vampiros. Sou sim fã de Crepúsculo e todos os livros de vampiros que surgiram na onda sobrenatural de 2010. Já falei aqui antes e vocês devem ter notado, que a maioria dos livros que leio são dessa época e não é à toa.

Insaciável #1 da Meg Cabot faz parte desse hype, mas de uma forma diferente. Como todo mundo sabe, Meg Cabot é autora de séries que amo como Diário da Princesa, A mediadora, etc. Meg é uma autora tão versátil e talentosa que vai do romance histórico para uma comédia sobrenatural sexy como esse livro.

O livro narra a história de Meena Harper, uma jovem roteirista que vive em Nova York junto com o irmão Jon. Ela é cética em relação a assuntos sobre seres sobrenaturais e modas de vampiros. Só que a personagem tem o dom de prever quando alguém vai morrer. É óbvio que ninguém acredita nela e se isso não fosse o suficiente, a protagonista não consegue arrumar um pretendente sem saber como ele vai morrer, o que a torna um tanto quanto solitária. Por conta da audiência interessada nessa vibe sobrenatural, seus chefes decidem mudar o enredo do programa Insaciável que Meena escreve (daí o título do livro). Só que o programa que Meena trabalha não tem nada a ver com essa onda vampiresca que tomou conta dos livros e séries de TV. Acontece que o programa concorrente Luxúria (ri tanto com esse título) está fazendo muito sucesso e é claro que isso é culpa dos sugadores de sangue. Idaí que Meena terá que escrever histórias de vampiros.

Para ela, isso pode ser o fim do mundo. Mas a personagem não contava que sua vizinha fofoqueira Mary Lou, decidisse apresentá-la ao príncipe Lucien Antonesco. De início, ela não curte a ideia, mas quando o conhece, muda de opinião. Lucien é o típico partidão: bonito, rico, atencioso e… príncipe das trevas, o filho do empalador, Vlad, sugador de vampiro!

A partir daí as coisas começam a complicar e Meena se mete em várias confusões por conta do seu amor vampiro (que clichê). Os dois acabam se apaixonando perdidamente, mas no meio disso tudo tem a Guarda Palatina que está atrás do criminoso que anda tirando a vida de jovens inocentes e jogando os corpos em parques a céu aberto. Para complicar a vida dela, entra Alaric Wulf, um caça vampiros lindo só que um tanto intrometido e idiota. E sinceramente, não sei como ele consegue ser um caça vampiro!

A leitura do livro (como todos os livros) da Meg é muito gostosa. Ela consegue amarrar a trama de uma forma que prende o leitor e faz embarcá-lo na viagem junto com ela, rindo, se divertindo e se emocionando. Apesar da história ser sobrenatural, fica bem claro que ele foi criado no intuito de ser quase uma paródia desses livros de vampiros que fizeram sucesso nas costas de Crepúsculo e The Vampire Diaries. Insaciável se encaixa como uma comédia sobrenatural, com cenas sexy, porque afinal, estamos falando de personagens adultos e muitos mistérios. Fiquei bastante surpresa ao constatar o uso da terceira pessoa, porque os romances da Meg são conhecidos – em sua grande parte -por serem narrados em primeira pessoa. Foi uma surpresa e tanto, mas boa. Uma das coisas que mais me encanta na escrita da autora é que ela pode escrever diferentes gêneros, mas ainda assim consegue deixar a marca dela, a sua essência. E isso é fantástico! O livro possui um triângulo amoroso e apesar de ser Team Lucien sem dúvidas (porque o Alaric é um idiota e não dá pra torcer por ele), em alguns momentos torci para a Meena ficar com Alaric. Apesar de ter a minha preferência, a autora nos deixa na dúvida e é bem perceptível que existe uma química entre Meena e Alaric e não faço ideia onde isso vai dar! Confusões a vista, of course. Outra coisa que amei demais é que a história retrata o ambiente de TV por conta das séries que são filmadas e como boa escritora que sou, essas partes se tornaram as minhas favoritas! Adoro quando histórias retratam e mostram o outro lado da vida hollywoodiana.

Me diverti horrores lendo esse livro! Quem leu deve ter notado que há muitas críticas sobre essa moda vampiresca. E muito coerentes por sinal. Acredito que quem for ler, vai se divertir, sofrer e se assustar com os personagens. Acreditem, é uma leitura bem “Meg Cabot” só que mais adulta. Amei o livro e quando vi já estava no fim com direito a um final épico e uma continuação, Mordida. Vou ver se leio em breve, pois estou louca para saber o que vai acontecer com Meena. Quem será que ela vai escolher, Lucien ou Alaric? (Espero que seja o Lucien).

E aí, curtiram o post? Deixem seus comentários!

Beijos,

Ju.

P.s: Essa resenha também foi postada no meu antigo blog e skoob. Existem muitos materiais meus espalhados pela web e estou recuperando, (os que mais curti, tem mais a ver com o site e postando aqui), mas claro adaptando de acordo com a minha opinião após releituras. Fiquem tranquilos, pois vamos ter muito conteúdo novo. Já repararam que estamos tendo posts todos os dias, né? Espero que gostem do que está vindo por aí ❤

Contos · Editora Leya · Kelly Link · O estranho mundo de Zofia e outras histórias · O estranho mundo de Zofia e outras histórias (Kelly Link) · Resenhas · Surrealismo mágico · [Leitores] · [Literatura] · [Livros]

O estranho mundo de Zofia e outras histórias (Kelly Link)

Já fazia muito tempo que queria falar de um dos meus livros favoritos da vida para vocês. Li O estranho mundo de Zofia e outras histórias da Kelly Link, publicado pela Editora Leya há alguns anos e ele é incrível por 1.234.234 de motivos. Lembro que não consegui tirar os olhos dele desde a primeira que o vi, justamente por causa dessa capa maravilhosa. Quando vi a recomendação de Neil Gaiman e descobri que o livro tinha uma vibe meio Alice no País das Maravilhas, Sandman e Noiva – Cadáver, não pensei duas vezes e adquiri.

Primeiro você precisa saber que O estranho mundo de Zofia e outras histórias é um livro de contos e eles não são muito comuns. Acontece que Kelly Link trabalha com o surrealismo mágico, gênero que Neil Gaiman gosta de brincar e digamos que é necessário estar “um pouco fora da casinha” para entrar nas histórias desse livro. Mas depois que iniciado, não tem volta, porque a leitura é divertida e muito viciante.

Os contos seguem a linha do surrealismo fantástico com pintadas de humor negro. Pense em “Os fantasmas se divertem”,” O estranho mundo de Jack” e adicione doses de fantasia, filmes trash e filmes B dos anos 80. Foi assim que O estranho mundo de Zofia foi construído.

O livro começa com o conto chamado “A bolsa mágica”. Na história somos apresentados a Zofia (a do título) e morremos de rir com ela. Essa personagem tem todas as características que mais amo em personagens: Zofia é uma avó meio louca e mística que conta histórias sem noções do lugar que veio para a neta. Extremamente surpreendente. A gente termina o conto com o coração quentinho, com vontade de saber mais sobre e felizes de poder ter conhecido Zofia.

Outro conto que chamou a minha atenção foi “Animais de Pedra”. É bem perceptível o quanto o livro Alice no país das maravilhas foi uma grande inspiração para a autora. Diria até que Kelly quis fazer uma homenagem e foi muito feliz ao fazer isso. Nesse conto, coelhos gigantes ameaçam e protegem a família que reside na casa, onde aos poucos seus objetos e eles próprios começam a ficar “assombrados”.  Talvez fique confuso para quem ainda não leu, mas depois de ler esse conto, vocês vão rir e entender do que essa expressão se trata lol.

Apesar de ter um enredo extremamente fantástico, Kelly Link compõe os personagens de uma forma simples, ao mesmo tempo de forma única e comum, que faz com que a gente se identifique, como por exemplo, no conto “Magia para iniciantes” que é sem dúvidas o meu conto favorito de todo o livro e narra a história de um grupo de amigos apaixonados por um programa de TV em uma emissora pirata no qual a personagem principal é uma raposa e ninguém nunca viu os atores. Esse programa passa todos os dias em um canal diferente e eles precisam se aventurar para descobrir em que canal se passa e etc. É muita loucura, mas uma loucura gostosa com aquele clima de amizade e descobertas. Outro conto favoritado é o“O Hortlak” que me fez lembrar os filmes dos anos oitenta e os personagens sem noção daquela época: jovens descompromissados e em busca de aventuras e adrenalina. Várias vezes enquanto lia o livro, as histórias me lembravam um cenário meio apocalíptico e lúdico tipo o Apocalipse Zumbi.

Quando terminei de ler, bateu aquela saudade e senti muita vontade de ler histórias estendidas de alguns contos como “Mafia para iniciantes”,  “A bolsa mágica” e “O Hortlak”. O universo que Kelly Link cria é muito rico, desconstruído e a autora acaba trazendo uma nova linguagem e roupagem para algumas mitologias. E seria muito interesse ler mais a respeito disso. Me identifiquei muito com a escrita da autora, pois achei a sua escrita e atitude originais. Curto muito escritores que se desafiam e fogem do lugar comum. Acho que falta muito isso em todos os cenários e gêneros da literatura. Existe um enorme espaço e devemos nos aproveitar isso. O estranho mundo de Zofia e outras histórias é uma viagem do início ao fim. É um livro de contos altamente psicodélicos que não seguem a narrativa comum e que foi escrito para ser assim. Aqui não vai encontrar mocinho, vilão e um caso que deve ser desvendado. As situações e histórias se desenrolam de forma completamente diferente e… estranha!  Essa é a essência de O estranho mundo de Zofia.

Li muitas resenhas e poucas pessoas conseguiram captar o espírito da coisa. Normal. Acredito que muitos leitores estejam acostumados com histórias que possuam início, meio e fim e mocinhos e vilões.  Não é o caso desse livro. Para ler um livro de surrealismo mágico é necessário que o leitor desconstrua a noção de narrativa que possui e deve se abrir um pouco para uma coisa nova e mágica. Que fique claro, ninguém é obrigado a ler, mas fica a dica para quem quer conhecer.

Se você é um leitor que não curte leituras ou histórias inovadoras, vá preparado para ler o livro. Te garanto que a história é extremamente diferente e encantadora. Mas se você é um leitor que como eu, não tem medo de se arriscar, que gosta de conhecer coisas novas, Neil Gaiman, Tim Burton, filmes trash e anos 80. Olha, acho que vai pirar!O que mais me atraiu nesse livro sem dúvidas é que a autora é dona de uma personalidade e criatividade ímpar. Quero ser como Kelly quando crescer. Ela roubou o meu coração e minha alma!

A Kelly tem um conto em “O presente do meu grande amor” que ainda não li e infelizmente não têm outros materiais por aqui. No Goodreads é possível encontrar vários e o perfil da autora. Quem quiser me adicionar por lá, fique a vontade. Estou louca para ler Stranger things happen. Em inglês mesmo, porque só se encontra disponível assim.

Espero que tenham gostado do post e quero saber o que acharam, me fale nos comentários. Beijo grande e até o próximo post.

Beijos,

Ju.

P.s: Essa resenha foi postada no meu antigo blog e no meu skoob, achei ela muito boa e decidi reproduzir aqui. Mas claro, com algumas atualizações por conta das minhas releituras desse livro 🙂 

99 fear street · A hora do arrepio · Clube do terror · Contos de Terror · Episódio piloto raro da série Fantasmas da Rua do Medo (Ghosts of Fear Street) por R. L. Stine · Fantasmas da rua do medo · Fear Street · Fox Kids · Ghosts of Fear Street · Goosebumps Horrorland · Goosebumps series 2000 · Midnight Society · Rua do Medo · Sobrenatural · The Nightmare Room · TV · [ The Haunting Hour] · [Anos 90] · [Fantasmas à solta] · [Filmes] · [Goosebumps] · [Literatura] · [Livros] · [R. L. Stine] · [Séries] · [Terror]

Episódio piloto raro da série Fantasmas da Rua do Medo (Ghosts of Fear Street) por R. L. Stine

Fantasmas da Rua do Medo é uma série de livros do meu escritor favorito R. L. Stine. Caso alguém aí não saiba, Stine é autor de várias séries de livros que foram sucesso nos anos 90 e foram adaptadas para TV e recentemente no cinema. Ele escreveu Goosebumps, Goosebumps Horrorland, Goosebumps series 2000, Fantasmas à solta, A hora do Arrepio e Rua do Medo. E é essa última série que originou o spin off “Fantasmas da Rua do Medo”. De todos as séries, esse é ainda a única que não li .Ainda. Fantasmas da Rua Do Medo segue o caminho da Rua do Medo, que se passa em Shadyside. Diferente da Rua do Medo, que se concentra em uma trama sombria com espaço para suspense, enigmas e mistérios, notei em minhas pesquisas que Fantasmas é uma série mais fadada a eventos sobrenaturais e para um público mais teen. Se você já leu algum livro da Rua do medo, sabe que é uma trama mais young adult. Tanto que também inspirou outro spin off “99 Fear Street” que R. L. Stine assina, mas não escreveu. Parece que ele só escreveu um volume, que é o primeiro. Porém é tudo creditado a ele, porque o universo é dele. É uma série mais adulta e apesar de não ter curtido o fato de não ter escrito por Stine, ainda assim pretendo ler. Eu tenho muita vontade, pois foi super recomendado.

Como sou muito curiosa com as obras do Stine, pesquisando na internet achei esse episódio piloto e raro de Fantasmas da Rua do Medo (Ghosts of Fear Street). Acredito que quase ninguém conheça e nem tenha passado na TV. Episódios pilotos geralmente são gravados e só depois de serem aceitos pelos produtores e pelo público (convidado a assistir) é liberado para o grande público. Não sei se foi por causa do público ou patrocínio, mas o projeto não foi para frente. Ainda assim, fiquei feliz porque se tinham interesse em adaptar a série spin off da Rua do Medo, seria bem possível adaptar a série mãe para a TV não é mesmo?

E eis que em Fevereiro, sir R. L. Stine me posta essa foto no facebook. OMG! Seria possível então a Rua do medo ser adaptada para a TV ou filme? Muitos mistérios, mas tenho fé de que esse ano teremos novidades. E espero que as melhores possíveis. R. L. Stine é um autor muito criativo, têm muitos livros e com uma linguagem ótima para roteiro. Nos resta torcer! Sobre o episódio piloto, curti muito. Achei que tem bem a cara da série e em alguns momentos me lembrou Goosebumps por conta da inserção dos elementos trash. Só que ainda assim, tem alguma coisa ali de diferente que caracteriza a série com personalidade própria.

E aí, curtiram? Espero que sim! Não se esqueçam de deixar um comentário e nos vemos no próximo post.

Beijos,

Ju

Bem - vindo à casa dos mortos · Brian James · Cidade Fantasma · Galera Record · Líderes de torcida · Louras Zumbis · Louras Zumbis (Brian James) · Resenhas · Sobrenatural · Welcome to dead house · Zumbis · [Goosebumps] · [Leitores] · [Literatura] · [Livros] · [R. L. Stine] · [Terror]

Louras Zumbis (Brian James)

Atenção, essa resenha possui spoilers. Se não leu, volta depois. Se já leu ou quer saber mesmo assim, leia por sua conta e risco. 

Já fazia muito tempo que queria ler Louras Zumbis. Vários booktubers e blogueiros que sigo e possuem um gosto literário parecido com o meu, tinham falado tanto que coloquei na cabeça que tinha que ler de qualquer jeito por dois motivos: 1) zumbis e 2) cidades pequenas. Depois de ver a resenha do Rubens do Ler Vicia, tive certeza e comprei por 10 golpinhos na amazon.

Louras Zumbis narra a história de Hannah Sanders, aluna do 2º ano que vive mudando de cidade, por conta da vida financeira do pai que os impedem de se fixarem e criarem laços nos lugares. A história se inicia quando os dois se mudam para Maplecrest, uma cidadezinha pequena que nunca ouviram falar.  Ao chegar na cidade, Hannah se depara com um local repleto de pessoas muito bonitas e várias casas com placas de “vende-se”. A garota observa em seu primeiro dia de aula que as populares são louras, lindas, bem sucedidas e todas têm um nome que começa com a letra m: Morgan, Meredith, Miranda e etc. Elas são líderes de torcida e chamadas de “Esquadrão da morte” como Lukas, seu único amigo da escola conta. E o garoto alerta para que ela tome cuidado, pois são muito perigosas. Com o passar do tempo, o amigo conta que as líderes de torcida são zumbis. A personagem é claro ignora os avisos do amigo e isso dá início a uma reviravolta na trama.

Em diversos momentos, Louras Zumbis me lembrou a série de livros Goosebumps, mas precisamente Bem – vindo à casa dos mortos. Os dois se passam em uma cidade pequena e estranha e tem esse clima meio apocalíptico, cheio de suspenso. São cenários muito weird e falam sobre zumbis. Uma das coisas que mais gostei do livro foi a forma como Brian conduziu e desenvolveu a história. Ele deu espaço para a criação da atmosfera que foi muito importante para a ambientação de Louras Zumbis por conta desse cenário esquisito e o desenvolvimento dos personagens, o que fez com que me envolvesse com os personagens, o que foi ótimo e me fez duvidar várias vezes da identidade das meninas zumbis. Eu queria chacoalhar Hannah e abraçar Lukas. Em vários momentos pensei que ela não merecia a amizade dele, pois caramba, que personagem teimosa. Daí lembrei que Hannah é adolescente e o que esperar nessa idade, se não apenas a preocupação com o seu próprio mundo né? #normal. Isso sem contar o romance com o Greg, que foi total perda de tempo e foi a única coisa que não gostei na história. Outro ponto que vale a pena ressaltar e foi um dos pontos mais altos da trama, foi o final destruidor que me deixou dividida. Que plot twist foi aquele??? Metade de mim odiou e a outra metade amou. Odiei ver o Lukas morrer, pois me apaguei a ele. Lukas era o personagem consciência, o único que prestava naquele lugar e me senti idiota por não ter notado o final desde o inicio. Era claro que ele morreria, só eu que não quis ver. Ao mesmo tempo, achei incrível a jogada que o autor fez ao colocar um final destruidor e abrindo gancho para continuações e infinitas possibilidades.

Brian James fugiu do lugar comum e fez isso de forma impecável. É claro que notei as sacadas e tiradas que ele fez, como adaptar o “apocalipse zumbi” em uma cidade pequena e fantasma. Maplecrest é a própria alegoria e metáfora de tramas de zumbis, assim como a cidade de Darkfalls de “Bem – vindo à casa dos mortos” do R. L. Stine que também criou o apocalipse zumbi em uma cidade pequena e estranha. Essas cidades representam o vazio após os ataques, o que resta depois de toda a guerra. Esse foi um dos pontos que me faz amar Louras Zumbis que possui uma narrativa eletrizante. Entrou para a lista dos meus livros favoritos e me tirou de um bloqueio literário e criativo de semanas. Leiam esse livro e não se esqueçam de comentar. Quero saber o que acharam 🙂

Beijos,

Ju

6 livros darks para ler · A canção do súcubo · A pata do macaco · Apocalipse · Beautiful Creatures · Charlaine Harris · Contos de Terror · Dark · Dezesseis Luas · Editora Essência · Editora Prestígio · Editora Record · Finalmente Famosa · Formaturas Infernais · Iginio Strafii · Kami Garcia · Kim Harisson · Lauren Myracle · Margaret Stohl · Maya Fox (A Predestinada) · Mayra Dias Gomes · Michele Jaffe · Morto até o anoitecer · Resenhas · Richelle Mead · Serial Killer · Silvia Brena · Sookie Stackhouse · Southern Vampire Mysteries · Stephenie Meyer · Tags · True Blood · TV · W. W. Jacobs · [Filmes] · [Literatura] · [Livros] · [Meg Cabot] · [Séries] · [Terror] · [Top]

6 livros darks para ler

Olá pessoas, tudo bem? Olha só quem apareceu aqui mais de uma vez no mês. Pelo visto temos um milagre, não é mesmo? Isso se deve a saudade que estava de postar e compartilhar minhas paixões por aqui. Apesar da correria, os mil cursos que estou fazendo e o trabalho que não para nunca (graças a Deus), consegui voltar com o site e  tem muita coisa legal vindo por aí ❤

Foi então que tive a ideia de falar sobre 6 livros darks que eu amo, sou muito fã e que só acho que quem curte esse tipo de literatura não pode perder. Preparados? Então vamos para o nosso top 6!

Morto até o anoitecer (Southern Vampire Mysteries #1/ Sookie Stackhouse #1) Charlaine Harris: É o primeiro livro da saga de livros que inspirou a série de tv True Blood. Eu sou muito fã de TB e quando descobri sobre os livros, surtei e fui correndo ler. Para a minha surpresa, os livros são mil vezes mais incríveis que a série. A narrativa de Charlaine é muito fluída, gostosa e dark. Os livros têm poucas diferenças em relação a série, acredito que a partir do segundo volume, as diferenças entre livro x série se tornam mais drásticas, mas ainda assim vale a pena ler, devorar e enaltecer essa obra prima do sobrenatural. Assim como na TV, a série de livros narra a vida de Sookie e a pacata cidade em que vive, após a chegada de Bill Compton, um vampiro muito misterioso. Como todo mundo sabe, a existência de vampiros é conhecida por todos, graças a bebida True Blood que permitiu a convivência “pacifista” entre as duas raças. Entre aspas, pois com a chegada de Bill, serão feitas muitas descobertas e segredos serão revelados. Arrepiante!

Finalmente Famosa (Mayra Dias Gomes): O livro narra a história da estrela Sophia Young, uma atriz de cinema que enfrenta o fracasso após um escândalo envolvendo o ex – marido. Após sair da prisão, ela vai morar em um prédio na calçada da fama que abrigou artistas do cinema mudo e dizem ser mal – assombrado. Sou muito fã da Mayra desde a adolescência e fiquei muito feliz de vê-la seguindo o caminho do terror. Li FF muito rápido, a história é muito bem estruturada, envolvente e sinistra. É uma narrativa viciante. Mayra se inspirou em um caso real, envolvendo o assassinato de sua vizinha e visitou lugares mal – assombrados de Los Angeles para construir a história. Lembro que quando terminei o livro, fiquei dividida entre o êxtase e o choque, foi surpreendente! Já estou aguardando os próximos livros de Mayra e sonhando ( por que não?) com uma possível adaptação. O livro daria um ótimo filme! De todos os livros, esse é o mais assustador, principalmente por conta do flerte com a realidade envolvendo a inspiração e as pesquisas para o livro. Mayra têm histórias sinistras de bastidores de assustar até descrente.

Maya Fox (A Predestinada) de Silvia Brena e Iginio Strafii: Esse livro conta a história de Maya Fox, adolescente gótica e revoltada, que perdeu o pai, tem uma difícil relação com a mãe e tem o dom de conversar com os mortos. No decorrer da história, descobrimos que um serial killer está atrás dela e uma poderosa profecia que anuncia o fim de 2012, coloca o mundo em perigo. Maya terá que correr contra o tempo, uma ameaça fantasma e todos os problemas comuns da adolescência. Para mim esse livro era uma duologia, mas pesquisando para esse post, descobri que se trata de uma trilogia. Li algumas resenhas que teve uma galera que não curtiu o livro, mas apesar de nem terminado o segundo ainda, achei o primeiro MUITO bom. Tem uma premissa boba, mas a narrativa é gostosa e devorei o livro muito rápido. A história tem um clima dark muito forte, por causa do clima de fim do mundo e da própria personagem. Definiria como uma leitura creepy. Mesmo com um universo adolescente como fundo, o livro aborda reflexões muito bacanas sobre amor e perdão.

Formaturas Infernais é um livro de contos com a participação de Meg Cabot, Stephenie Meyer, Michele Jaffe, Kim Harisson e Lauren Myracle. Todo mundo já deve ter ouvido falar dessa antologia de contos que fez bastante sucesso naquela onda de livros sobrenaturais que surgiu em 2010 (sdds). O livro é incrível, acredito que deve ser o melhor dessas coleções infernais. Tem de tudo um pouco: universo adolescente, comédia, suspense, mistério e muito terror. O livro tem uma narrativa fluída e é beeem dark. O meu conto favorito é o mais assustador sem dúvidas! Estou falando de O buquê da Lauren Myracle. Li uma vez que o conto foi inspirado em A pata do macaco de W. W. Jacobs. Ele é simplesmente assustador e MUITO dark. Ao lado de Finalmente Famosa, o conto entra para a lista dos mais assustadores. Também sou muito fã de A filha da exterminadora da Meg Cabot que tem uma linguagem super gostosa, tem muito a cara da Meg que vai da comédia ao sobrenatural de forma surpreendente. O conto poderia fácil fácil virar série de livros. Sonho antigo! Inferno na terra da Stephenie Meyer é surpreendente e assustador, nunca imaginei que ela escrevesse algo no estilo. Para o padrão Meyer, o conto é bem dark. Também amei Salada mista da Michelle Jaffe, tem um clima de “tudo pode acabar”, espionagem e mistério que amei demais. Esse livro está super recomendado e não se engane com a “capa jovem”, porque surpreende muito.

A canção do súcubo (Richelle Mead) é a série de livros da Richelle menos famosa, mas tão boa quando Vampire Academy. O livro narra a história de Georgina Kincaid, uma súcubo que trabalha em uma Livraria e é fã do escritor Seth Mortensen, mas não pode tocá-lo, pois  senão… é vocês sabem. Apesar de ser um livro dark, a leitura é divertida por conta da personagem e sexy, é claro. Como ela é uma súcubo, o livro tem muitas passagens eróticas e apesar de não curtir o gênero, as cenas são coerentes com o universo da história. O livro tem uma linguagem muito gostosa e envolvente. É uma daquelas séries sobrenaturais que quando a gente menos percebe está viciado. Tenho todos os 6 livros, mas ainda não tive coragem de terminar, porque sou muito apaixonada pelos personagens

 

Dezesseis Luas (Beautiful Creatures #1) da Kami Garcia e Margaret Stohl: Esse é o primeiro livro da série que narra a história de Ethan, que vive em uma pequena cidade do sul nos Estados Unidos e é perturbado por sonhos estranhos desde que perdeu a mãe. Seu pai se isolou do mundo após a perda e sua vida muda por completo, quando Lena Duchannes chega na cidade. Ela é uma adolescente sombria que luta contra uma maldição que cerca a sua família e é claro que os dois vão se apaixonar. Essa é uma das minhas séries favoritas e é repleta de criaturas sobrenaturais e uma mitologia maravilhosa e inovadora. O livro é VICIANTE e a história super envolvente. A série conta com 4 livros, acho que 1 spin off e lançaram um filme que foi inspirado na série. Só que o filme é ruim, mudou completamente a história, foge da narrativa e não indico para ninguém. BC é o tipo de saga que poderia ser adaptada para série do Netflix. O livro é muito dark e fala de um universo que amo: magia ❤

Espero que tenham curtido o post e o meu retorno! Vocês já leram algum desses livros? Me contem nos comentários o que acharam. Se vocês curtirem, posso fazer post de cada um desses livros em breve. Nos vemos no próximo post 🙂

Beijos,

Ju.

Comédia adolescente · comédia romântica · cultura pop · Editora Gutenberg · Faça seu pedido · Faça seu pedido (Mandy Hubbard) · Mandy Hubbard · Nickelodeon · Resenhas · Teen · [Comédia] · [Disney] · [Filmes] · [Leitores] · [Literatura] · [Livros] · [Séries]

Faça seu pedido (Mandy Hubbard)

“Kayla McHenry está tendo o pior aniversário de dezesseis anos da história! E não é só porque ela é diferente. Fica difícil se divertir quando você está apaixonada pelo namorado da sua melhor amiga.

Na hora de assoprar as velinhas, Kayla faz um pedido: “Eu desejo que todos os meus desejos de aniversário se tornem realidade. Porque eles nunca se realizaram”.

Na manhã seguinte, ela acorda e vê um Meu Querido Pônei cor-de-rosa pastando em seu jardim. No dia seguinte, depara-se com um carregamento de chicletes de bolinha para um ano inteiro. E, então, um cara meio plastificado chamado Ken aparece e começa a segui-la por toda a cidade, a bordo de um conversível!

A cada dia, um novo desejo se torna realidade. Mas… isso PRECISA PARAR. Porque, quando fez quinze anos, Kayla desejou ganhar um beijo de Ben Mackenzie… E Ben, agora, é nada menos que o namorado de sua melhor amiga!”

Olá terráqueos, tudo bem? Que saudade de vocês, que saudade daqui!

Faz um longo tempo que não dou as caras no site. Pelas minhas contas foram quase sete meses de hiatus. Wow! Durante esse tempo, estava super enrolada com a faculdade que emendou um período de retorno da greve com mais um semestre, tcc e os freelas de revisão e leitura crítica que tenho feito. Quando o novo período da faculdade começou, prometi que continuaria a escrever, ler e postar, mas não foi isso que aconteceu. Acabei me envolvendo com as leituras da monografia, fiquei assistindo muitas séries, comi muita yakisoba, fiz novos amigos e decidi que daria um tempo para me dedicar. Mas é claro que também não deu certo haha. Agora estou de férias (eu tenho um mês) e decidi que vou continuar a escrever, ler, postar e vlogar sempre que possível e sem pressão. Eu senti muita falta desse universo e mesmo que, ainda envolvida com o tcc e suas leituras – que estão paradas, aliás – gosto de ler outros livros, escrever e aparecer por aqui. Ou seja, estamos de volta! Yeeeah!

Por causa do tcc, eu fiquei sem ler durante um tempo e com uma ressaca horrorosa. Mas nesse mês de Julho, fiquei sem internet e adivinha o que aconteceu? Isso mesmo, eu li muito, tipo demais! Eu li seis livros em um mês! Para alguém que não estava lendo nada, até que fui muito bem. E um desses livros que li, me diverti horrores e pensei que tinha que falar sobre ele com vocês. Porque sério, ele é incrível! O livro em questão é Faça seu pedido, da autora Mandy Hubbard da Editora Gutenberg. Uma amiga já tinha me indicado, mas não tinha dado muita atenção. Posso dizer que me arrependi amargamente de ter demorado tanto para ler! Faça seu pedido conta a história de Kayla McHenry, uma adolescente que na sua festa de 16 anos pede ao assoprar as velinhas que todos os seus desejos de aniversários se realizem. Ela só não contava que isso realmente fosse acontecer! Seu desejo de aniversariante se realiza e é aí que a loucura começa! Ela é surpreendida por um pônei cor de rosa, várias bolinhas de chiclete em seu quarto, Ann, a boneca trapinho e o Ken que surgem em carne e osso para atrapalhar ainda mais a sua vida.

Acontece que Kayla está com alguns problemas. Ela e sua melhor amiga Nicole andam afastadas agora que a amiga começou a namorar Ben, justamente o cara que ela gosta. E no meio disso tudo, tem que lidar com essa confusão dos desejos e não faz ideia de como resolver. O livro tem uma narrativa muito gostosa, a leitura é fluída e uma comédia das boas. Faça seu pedido é um livro que tem cara de sessão da tarde bem clichê, bem do tipo que eu amo. O flerte com a fantasia é um ponto interessante que torna a história ainda mais atrativa!

Eu virei a madrugada lendo (mais um ponto positivo, pois é possível ler de uma vez só) e gargalhei muito. O livro aborda muitas questões interessantes como amizade, lealdade, amor e relacionamento com os pais. Me identiquei em vários momentos e lembrei dos meus pedidos de aniversários e imaginei que louco seria se eles virassem realidade haha! Fiquei curiosa para ler outros livros da autora e indico para qualquer pessoa que assim como eu, ame comédias românticas, protagonistas fortes e engraçadas como a Kayla que é muito atrapalhada e não resistem a uma história açucarada. Vai por mim, é diversão garantida. Além do mais, o livro tem uma capa super gracinha e é uma daquelas histórias que a gente vai se lembrar pra sempre, com direito a várias referências disney’s. Cinco estrelinhas

Durante a leitura, vi a Kayla diversas vezes como a Selena Gomez (especificamente a Alex Russo de Os feiticeiros de Waverly Place, série que eu amo) e Dove Cameron como Nicole (atriz mega fofa de Liv e Maddie, outra série que eu adoro). Se alguém se interessar em fazer uma adaptação, seria uma ótima ideia hein? rsrs

Diário de uma escritora outsider · Eu venci o #NaNoWriMo · Eu venci o #NaNoWriMo 2015 · NaNoWriMo · [Leitores] · [Literatura] · [Livros]

Eu venci o #NaNoWriMo 2015

É, eu sei. Faz um tempinho desde que nos falamos pela última vez.

Em minha defesa, informo que o motivo de ter faltado tanto no blog quanto no vlog, foi por causa do NaNoWriMo. Ah, o que é isso? A Juliana ficou maluca? 

Não, eu não fiquei. O NaNoWriMo – National Novel Writing Month/ Mês Especial para escrever um romance  ou conhecido como um campeonato de escrita – é um mês em que os Escritores se dedicam a escrever 50 mil palavras durante o mês de Novembro, podendo ou não finalizar um livro. Essa não é a primeira vez que participo. Lá em meados de 2013, participei com o primeiro livro que terminei e adivinhem? Cheguei a vinte mil palavras escritas. Na época, fiquei me sentindo péssima, mas olhando agora, vejo que para quem estava tentando pela primeira vez até que fui bem. Várias coisas me atrapalharam naquela época: final de período da faculdade, estágio, etc. Participei outras vezes, tanto do NaNoWriMo, quanto do Camp NaNoWrimo que acontece nas férias de Julho e flopei miseravelmente. No ano passado, quando tentei terminar o mesmo livro desse ano, escrevi duas mil palavras. Foi quando pensei que não poderia deixar a próxima oportunidade passar e conseguir o feito em 2015. Precisava mostrar para mim mesma que conseguiria e se conseguisse, ainda teria um bom material para terminar o livro.

escritoresqueninguemle300x231

Pois bem. Eu sabia que para isso acontecer, teria que me ausentar de muita coisa. Foi por isso que ficamos sem vídeos e sem postagens. Tudo por um bom motivo. Além disso, descobri também que me ausentar do facebook fez a minha produtividade disparar. Muitos amigos comentaram que estava sumida, mas valeu a pena. E com tudo isso, cheguei a conclusão que se eu quiser escrever livros e terminá-los, tenho que me manter longe dele. E vocês sabem, não perco muita coisa me ausentando mesmo. Sempre que entro no facebook parece que sou engolida para um universo paralelo e cinco minutos depois, nem me lembro mais o que iria fazer ali. #problems

O livro que escrevi no NaNoWriMo intitulado Cidade das Sombras  ou Maratona Do Terror 2 nasceu em 2010 e desde então nunca consegui terminar. Muitas coisas atrapalharam: faculdade, meus chefes, vida social, estágio, eventos, etc. E não terminá-lo sempre me deixou angustiada. Todo escritor tem uma história que se identifica e CD é a minha. Não quero falar muito para fazer  surpresa, mas o livro fala sobre uma das coisas que mais amo: BRUXAS ❤

gif de scooby

Cresci assistindo Abracadabra (já falei aqui que ele é um dos meus filmes favoritos), sou cria da Disney e se pudesse faria parte da Mistério S.A. Scooby Scooby Doo! E depois de cinco anos, consegui entender o porquê nunca consegui chegar ao fim.

abracad

Eu acreditava que Cidade das Sombras era uma história de fantasia, só que não é. Por mais que retratem bruxas e tenha MUITOS elementos fantásticos presentes (lendas, vampiros, Halloween, etc), o livro é mais puxado para o Sobrenatural/ terror/ mistério do que a fantasia em si. Acredito que essa confusão me deixou empacada por muuito tempo. Foi aí que decidi virar o jogo. Durante o NaNo tive a brilhante ideia de colocar um sonho em ação. Já tinham me pedido para fazer Maratona Do Terror virar série e foi assim que decidimos que Cidade Das Sombras vai fazer parte disso. Maratona Do Terror vai ser uma série de livros, mas nada de contos e sim romance. E os livros podem ser individuais ou com continuações ❤ Animados com a notícia? Eu estou pirando *–*

O grande segredo de ter vencido o NaNoWriMo foi o meu planejamento. Antes de escrever, fazia roteiros dos capítulos e isso salvou a minha vida. Eu tirava uma hora para escrever, principalmente a noite (sim, eu sou da turma da madrugada) e mandava ver. Colocava música no volume máximo e viajava. Outra descoberta brilhante foi constatar que é possível ter disciplina e escrever. Escritor sempre acredita que deve estar inspirado, mas com o NaNo, você descobre que escrever é 50 % inspiração e 50 % dedicação. Não é fácil, mas é possível!  Ter foco é realmente tudo!

Vocês devem estar se perguntando: “– Mas ela já tinha começado a escrever o livro cinco anos atrás! Não vale!”. Sim, é verdade, mas se aproveitei 20 % daquilo, foi muito. Passei esses cinco anos mais reescrevendo do que escrevendo. Eu sabia que para terminar precisava desapegar e deixar a história seguir o seu fluxo. Foi isso que aconteceu. Outro ponto positivo é que foi MUUUITO legal a união no grupo do NaNo WriMo Brasil. Foi a primeira vez que vi uma galera engajada e unida por uma missão. Todo mundo trocou ideia, ajudou e deu incentivo para o outro. Não tenho dúvidas de que isso fez a diferença. Não poderia deixar de agradecer a Sarah Marques, que super me incentivou com os Nano Sprints, a troca de ideias e a diversão garantida! A Giulia Santana que me citou em vários posts em seu blog maravilhoso (A Giu escreve muito bem gente. Sério, visitem o blog dela *–* ) e pelo inúmeros bate papos no twitter que me inspiraram e tornaram o NaNo mais leve. Saber que tem outro escritor surtando tanto quanto você dá um alívio danado ❤ Agradecimentos também a L. L. Alves, que super me incentivou a me entregar a história e me deu vários conselhos que foram responsáveis para ter conseguido.  Obrigada também a Barbara Herdy que entrou na dança e está sempre disponível para conselhos, desabafos e tudo mais. Obrigada por compreender essas loucuras de escritor. Você me entende! Agradecimentos especiais a Lívia Araújo que foi uma SUPER amiga me indicando séries, filmes, músicas e livros com a temática do meu livro que me inspiraram e não me deixaram ficar com bloqueio. Quem tem amigos tem tudo ❤ Obrigada por I Kissed a Vampire!!!! Da licença que minhas amigas são talentosas para caramba, viu? E agradecer ao meu namorado Djan que super compreendeu o fato de que eu precisava escrever, mesmo sendo sábado à noite! Obrigada por estar ao meu lado quando escrevia, compreender e me ajudar. Isso não seria possível sem você, amor ❤ Ufa, não estou louca e nem sozinha ❤ haha

jubs2

Foi assim que cheguei as cinquenta mil palavras. Quando vi o anúncio estampado na minha frente, não conseguia acreditar que tinha acontecido. Depois de tantos anos, tantas tentativas, tinha provado para mim mesma que era possível. Uma parte de mim ficou aliviada e outra emocionada. Superar desafios é uma coisa muito maravilhosa ❤

Infelizmente depois que atingi a meta, dei uma parada. Eu sei, isso é horrível e não era o que planejava. Maaas é que durante o NaNo, minha tendinite veio me visitar. E depois que consegui, precisei dar atenção a faculdade e ao meu trabalho (como vocês sabem, também sou revisora). Mas não pensem que desisti. Consegui um material muito bom e pretendo terminar o livro logo, quem sabe agora em Dezembro? Seria fantástico fechar o ano assim ❤

Vocês devem ter notado que o site está com visual novo *–* Eu achei que estava na hora de mudar. Depois que atingi a meta do NaNo, fiquei muito chateada com alguns problemas pessoais (inclusive um dos motivos para não ter continuado a escrever Cidade das Sombras), mas agora estou de volta e muito feliz em anunciar que muuuitas novidades estão chegando! E nada melhor do que um layout novo para celebrar o futuro que vem vindo aí! Como diria Nina Dobrev: “Apertem os cintos. Se vocês pensam que sabem o que vem por aí… Vocês não sabem de nada”. VEM COM TUDO FUTURO ❤

P.s: E se você leu até aqui, muito obrigada! Eu sei que o post está imenso, mas precisava relatar tudo que aconteceu comigo durante esse tempo ❤

Clube do terror · Contos de Arrepio · Contos de Terror · Cultura Gótica · cultura pop · Dark · Dia das Bruxas · Ficção Científica · Halloween · Infantojuvenil · Literatura Nacional · Maratona do Terror: Perdidos - Contos de Arrepio · Mistério · Misticismo · Promoção Especial Sexta - Feira 13: Maratona Do Terror · Romance Policial · Serial Killer · Sobrenatural · Surrealismo mágico · Terror Psicológico · [Anos 90] · [Leitores] · [Literatura] · [Livros] · [Músicas] · [R. L. Stine] · [Séries] · [Sexta - Feira 13] · [Terror]

Promoção Especial Sexta – Feira 13: Maratona Do Terror

Olá Perdidos, tudo bem? Sei que ando sumidinha, mas com a volta das aulas da faculdade, trabalho e #NaNoWriMo (outro dia falarei sobre isso), fui engolida pelo furacão, mas voltei com muuuitas novidades legais!

A primeira delas é que vem aí a Sexta – Feira 13 e em comemoração, Maratona Do Terror: Perdidos – Contos de Arrepio vai estar em promoção por apenas R$ 25, 00 com frete incluso, vai autografado e ainda por cima, ganha marcador personalizado da caveirinha. A promoção vai rolar até a meia – noite do dia 13/ 11/ 2015 e aproveita para garantir o seu, porque são os últimos exemplares! Para comprar o seu, clique aqui.

E até o fim da semana, vou divulgar uma novidade de derrubar os forninhos, espero que curtam MUITO, pois estou muito animada ❤

Queria aproveitar e pedir para quem adquiriu o livro, me enviar uma foto com ele, pois vou abrir um álbum só com as fotos dos leitores e em breve, pretendo gravar o vídeo sobre o #NaNoWrimo ~ campeonato de escrita ~ explicando como está sendo a minha experiência e outro com leitura dramatizada de trechos de Maratona Do Terror. E aí, o que acham? Não precisam ficar preocupados, pois em breve volto. Aproveite e adicione Maratona Do Terror no Skoob e me faça feliz >.<